Londres sem Nadal?
Por José Nilton Dalcim
4 de novembro de 2017 às 13:15

Com um grupo muito renovado em função de uma temporada completamente atípica, o quinto maior torneio do calendário masculino poderá perder de vez sua graça caso o espanhol Rafael Nadal não tenha condições ideais de jogo.

O número 1 do mundo terá apenas dez dias para tratar o joelho problemático e entrar em ritmo para buscar o único grande troféu que não possui na carreira. Se o Finals sempre foi um sonho difícil para o multicampeão, a incerteza física só dificultará as coisas.

“O joelho sempre me incomoda um pouco, mas às vezes fica pior. Neste momento, está um pouco pior”, foi seu resumo para a desistência das quartas de final de Paris e sobre a possibilidade de ir a Londres. Rafa afirmou que pretende realizar um tratamento que “funcionou bem no passado”, sem entrar em detalhes, e decretou: “Com dor, não posso competir”.

A quadra sintética tem sido historicamente um terreno perigoso para o canhoto espanhol. Daí seu calendário sobre o piso deveria ser bem dosado. Depois do título no US Open, ele só jogou Pequim e já passou a sentir dores em Xangai. Pulou a Basileia e decidiu jogar Paris, talvez preocupado com a aproximação de Roger Federer no ranking. Depois de garantir o número 1 na estreia contra Hyeon Chung, talvez o mais lógico fosse não ter se esforçado tanto na vitória sobre Pablo Cuevas, mas é difícil para um tenista de seu gabarito não se empenhar ao máximo para ganhar.

O drama de Nadal apenas reforça a discussão sobre a exigência física do circuito masculino atual. Três das grandes estrelas estão afastadas há meses, repetindo o que aconteceu com Federer no ano passado. O próprio suíço, mesmo fazendo um calendário extremamente enxuto e adepto dos jogos rápidos, voltou a sentir a contusão nas costas que comprometeu o US Open.

Não há uma solução fácil. Pode-se mexer nas regras e diminuir a duração dos jogos, restringir o uso das bolas muito pesadas e lentas, mudar o ranking para diminuir os 18 torneios pontuáveis, espaçar mais os grandes torneios do calendário ou aumentar o intervalo entre as temporadas. Caminhos que dependem de negociação entre jogadores, promotores e entidades regentes.

É difícil imaginar o Finals deste ano sem Nadal. Se o torneio já não empolga com os momentos instáveis de Zverev, Thiem e Cilic e o menor interesse em cima de Dimitrov e Goffin, ficar sem a oportunidade de uma final tira teima entre Rafa e Federer seria o anticlímax total.


Comentários
  1. Tavares

    Pessoal, gostaria de fazer uma pergunta e quero sinceridade na resposta: Nadal se dopa, ou não? Na minha opinião, não! Mas tenho um conhecido com uma teoria interessante. Ele diz que o espanhol não ‘enxuga’ o calendário porque está precisando fazer jogos e, principalmente, dinheiro. Ele acredita que os alguns corruptos fiscais do anti-dopping estão cobrando ‘taxas ‘ cada vez maiores para esconder a verdade.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Engraçado, um cara de 31 anos q sempre primou por preparo físico excelente, ou de excelência, se dopa, outro de 36 anos q antes não tinha grande resistência e agora voa na quadra primou pelo aprimoramento do preparo físico kkk, coerências oriundas do fanatismo extremo…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O Federer joga muito menos torneios, e faz jogos muito mais curtos do que o espanhol.

        Portanto, pouco importa se ele tem 36 ou até 50 anos… O Nadal sempre inexoravelmente o mais suspeito.

        Aliás, basta botar o olho no FENÓTIPO o cara, e prontamente já se desconfia.

        Responder
      2. André Barcellos

        Acontece que o suíço, aos 36, aprimorou a agressividade e tática, não o físico.
        Sequer aguenta jogar 2 semanas seguidas hoje em dia…

        Perdeu o masters preferido por cansaço e/ou lesão, além de jogar mal o USOpen…

        Já Nadal perdeu velocidade, mas apenas isso. Está tão resistente quanto há 12 anos atrás.
        Não acho que haja suborno de fiscais antidoping.
        Mas suspeito que há uma ciência muito avançada no staff de Nadal…

        Responder
    2. Maurício Luís *

      Essa dos fiscais anti-doping cobrarem “taxas” é uma teoria bem mirabolante. Não vejo como uma coisa dessas ficar em segredo por tanto tempo e não ‘vazar’ nada.

      Responder
    3. Viana

      Pense um pouco… Quando se vai fazer um exame anti doping não é só um fiscal que participa do processo. Você deve realizar o exame sem nenhuma pessoa perto, e colhê-lo sozinho, sem nenhuma outra vasilha ou pote. Ou seja, você irá colher o material e esse material será entregue ao laboratório. E se der positivo, já tem uma parte desse exame separada para fazer a contraprova.

      Quem fala esse tipo de coisa não conhece o sistema de controle de anti dopping. Não é assim, pagar um fiscal e pronto. Existem várias pessoas e instituições envolvidas.

      Quem o acusa sem provas é leviano. Não admite o grande jogador que ele é e fica inventando histórias. Esse ano quem deveria passar por suspeitas seria o Federer, voando com 36 anos!!!! Mas isso tb seria leviano!!!
      Esses caras treinam todos os dias por 2, 3 ou 4 horas, isso sem falar em jogos…

      Você já reparou que o Nadal sempre faz bicicleta depois dos jogos? Como duvidar do preparo de alguém que treina tanto! E digo mais, em questão de distância percorrida um jogo de tênis se exige pouco… geralmente 2,5 km a 3,5 km. O que se compromete muito são as articulações forçadas ao extremo nos movimentos necessários aos golpes, aplicados muitas vezes durante os jogos!!

      Não entre nessa de acusar alguém e desmerecer o atleta e o esporte!!!

      Responder
      1. Viana

        E quanto ao Nadal precisar de dinheiro… só pode ser brincadeira!!! O cara está milionário, e acabou de abrir uma academia e ganha milhares de dólares com publicidade… A Vivo acabou de lançar uma propaganda com o NAdal!!! Até de empresa brasileira ele tá ganhando dinheiro!!!
        Pra esses caras (Nadal, Federer, Djoko) ficarem pobres só se jogarem dinheiro fora muuuuuuuuuuuitos anos seguidos!

        Responder
      2. Gilvan

        Independentemente do caso específico do Nadal, acreditar que os atletas de alto rendimento não se dopam porque o sistema seria “infalível” é no mínimo uma grande ingenuidade.
        Boa parte dos atletas de alto rendimento usam algum tipo de doping, ainda mais em esportes individuais.
        O problema é que alguns abusam, mas mesmo assim, se forem rentáveis, nunca são flagrados. Ou você acha que o Bolt correu purinho a carreira inteira, vencendo todas as grandes provas, enquanto TODOS os seus oponentes já foram pegos no doping? No tênis não é diferente, vide quem é o grande destaque do circuito feminino na atualidade.

        Responder
  2. Pedro

    Dalcim, excelente presente o link da transmissão do jogo exibição do Federer e Murray. Qualidade de streaming muito boa. O Murray está um pouco fora de ritmo, mas demonstrou muito talento em várias jogadas. Mas nunca dá para saber se ele está machucado ou não porque há muito tempo ele fica mancando no intervalo dos pontos, mas na hora de jogar ele corre demais.

    Responder
  3. Oswaldo E Aranha

    Vou tentar fazer uma setorização dos tenistas que estão atuando; como sou péssimo para guardar nomes, para muitos citarei apenas uma referência, que os identificarão facilmente, pedindo ao Rodrigo S. Cruz que entenda essa minha limitação.
    – top 1: Djokovic, Federer, Murray e Nadal (por ordem alfabética)
    – top 2: Del Potro e o croata (que conseguiram Grand Slan)
    – top 3: Berdish, o japonês, Wawrinka, um francês (que beliscaram)
    – top 4: Gasquet, o canadense de Montenegro e o outro francês (que criaram alguma esperança)
    – top 5: Dmitrov e o australiano (que prometeram e não cumpriram)
    – top 6: o russo canedense (Shapovalov), o russo alemão (Sverev), o russo russo e o Thien (a gurizada chegando)
    – top 7: os demais
    Quem não concordar que se manifeste, mas não vale xingar!

    Responder
    1. André Barcellos

      Discordo da posição do Wawrinka aí, veementemente, assim como de Murray junto aos outros 3.
      Pra mim há um big 3 + Murray e Wawrinka.

      Responder
  4. Luiz Fernando

    Dalcim, creio q Rafa de fato ira participar do Finals, o site da ATP ja diz claramente q ele será o cabeça 1, e não creio q ele deixaria rolar um sorteio envolvendo seu nome para depois dizer q não tem condições. So espero q não jogue baleado, afinal, se o fizer ele será o maior prejudicado. Mudando de assunto, estou vendo q a Bandsports esta passando ao vivo o Next Gen e ainda não havia visto e lista de participantes: o mais promissor esta fora (Zverev), que optou por jogar o outro finals; dos presentes, ponho mais fe no Shapovalov (o de Montreal claro, q não apareceu mais depois), no Donaldson e no Rublev; o Khachanov ainda me intriga, não tenho uma opinião definitiva; não ponho fe no Chung, q me pareceu sem golpes contundentes, e no Coric. Nunca vi jogar e portanto não irei opinar sobre o Quinzi e o Medvedev. Na sua visão, quem desses vc apostaria q tem mais chances de vencer muito no futuro?

    Responder
  5. Luiz Henrique

    Dalcim, você já tem uma opinião formada se estas regras do NexGen tornariam os jogos melhores ou piores? A questão da vantagem eu até achei interessante, diminui um pouco a vantagem do sacador, possibilitando mais quebras.

    Responder
  6. Mário Fagundes

    Sou um dos que criticam a postura de Nadal em determinadas situações no circuito. Mas desta vez não o farei, sobretudo por acreditar que Federer (ou qualquer outro) executaria o mesmo, caso estivesse disputando a ponta do ranking. O espanhol pulou Basiléia e foi à Paris para garantir o número 1, que era o seu grande objetivo para o fim da temporada (Moyà declarou isso). Então, por que criticar Rafael Nadal? O joelho até que durou muito nesta temporada, se considerarmos o histórico dele e a quantidade de jogos que o espanhol disputou neste ano! Vencer o Finals é algo que, no fundo, sabe-se que é muito difícil, principalmente pela presença de Federer no torneio. Exceto as quatro surras que o GOAT aplicou no touro neste ano, os torcedores de Nadal não tem do que reclamar, não é mesmo?

    Responder
  7. Mário Fagundes

    De vez em quando alguém do meio tenístico aparece para cravar isso ou aquilo. A temporada atípica de 2017 já seria o suficiente pra fazer com que esses sabichões adotassem uma postura mais cautelosa, mas preferem fazer previsões (no mínimo) arriscadas. E a previsão “da hora” de muitos aqui é afirmar que o retorno de Djokovic, Murray, Wawrinka e de outros trarão mais graça ao circuito em 2018. Sabemos que afastar-se de competições por um longo período não é bom pra qualquer que seja o atleta. Deu certo para Federer e Nadal, porque são dois gênios desse esporte, são diferenciados. Mas não há garantias de que dará certo para os demais. Ainda mais se pensarmos na idade de todos eles (quase todos trintões). Porém, um membro da equipe de Djokovic já avisou que o sérvio pode vencer o A.O. Excesso de confiança ou mais uma declaração arrogante à moda de Djoko?
    Independentemente de qualquer crítica à temporada de 2017, a lembrança marcante deste ano fica com a final épica que Federer e Nadal fizeram no A.O. Até hoje revejo os highlights. Provavelmente aquela partida tenha salvado o ano em termos de emoção no circuito masculino. Teremos de aguardar o retorno dos outros cachorrões para repetirem (o que acho improvável) o mesmo sucesso de Federer e Nadal. Eis a minha previsão.

    Responder
  8. Sandra

    Dalcim, quais são os master séries pedra no sapato( que nunca ganharam) Do Nadal e do Federer??? Vi o médico do Nadal dizer que ele nunca ganhou o Finals?? É só esse ou tem outro

    Responder
  9. Pedro

    Dalcim, achei a atitude do Nadal incompatível com um bom exemplo de esportista. Abandonar um torneio Masters 1000 e 10 dias depois participar de outro, sendo que todo mundo sabe que em 10 dias não se cura lesão, é algo bem chato. Tá na cara que ele quis se poupar para um torneio de maior importância. O Federer fez um pouco diferente porque pelo menos ele perdeu a partida no US Open, enquanto o Nadal nem jogou, abandonou. Deveria ter um tipo de punição para este tipo de comportamento, até porque, isso complica a vida de organizadores dos espetáculos. Ao meu ver, Federer será o campeão do Finals.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Pedro. Não existe nenhum Santinho no Circuito . O Espanhol precisava apenas entrar em quadra e vencer UMA em Paris para ficar com o N 1. Segundo o organizador do Torneio ( Guy Forget ) , o Espanhol o procurou depois da SEGUNDA contra o encardido Cuevas e lhe mostrou que ir ate’ uma possível Final poderia comprometer o FINALS. O francês como Ex-TOP 4 entendeu na hora. E o Espanhol caso não possa jogar, vai receber o Prémio in Loco. O Francês disse também ter entendido Federer não aparecer também em Roland Garros. Abs!

      Responder
    2. O JR7

      Acho que lhe entendo, caro Pedro. Tenho uma opinião semelhante. Não que seja falta de ética ou de esportividade. É que fica evidente demais que a participação foi “somente” pelo topo do ranking não levando em consideração o público poderia sentir de um eventual abandono. Mas, qual tenista hoje em dia vai a torneio pensando primeiramente no seu torcedor?
      Da festa, o espanhol foi aquele “convidado” que se logo se encheu e saiu um pouco mais cedo….

      Responder
  10. Alessandro

    Olá Dalcim, dessa vez discordo de você. Se o Nadal não estava 100%, deveria ter pulado Paris, assim como o Roger fez. Comprometer o final da temporada por duas semanas a mais como número 1 não faz o menor sentido. Pior ainda, isso poderá tirá-lo do Australian Open, o que irá facilitar bastante a vida do Roger, que irá poderá recuperar a liderança do ranking sem muito esforço. Nadal e os demais tenistas da elite precisam aprender a lição que Roger trouxe ao mundo do tênis: aprender a se poupar.

    Abraços

    Responder
        1. Marcelo

          Obrigado, passou hoje sim.

          De diferente, melhor de 5 sets, sem vantagem, sets até 4 games. Não tem juiz de linha nem desafio, a marcação é eletronica

          Responder
  11. taliba

    Olá Dalcim. Você sabe a hora exata que será definida a chave para o atp finals, pergunto pois tenho interesse em comprar ingresso para os jogos. ABç

    Responder
  12. Luiz Fernando

    Blake afirmou q não acredita q Federer igualará Connors, opinião tão precisa quanto se dissesse q igualaria ou até superaria. O q é inquestionável é q com o retorno de Djoko, Murray, Wawrinka ( o mais genial desse grupo), Raonic, Nishikori e cia será mais problemático p o suíço e Nadal dominarem os principais torneios como fizeram nesse ano. Li também q Rafa irá a Londres quarta e decidirá lá se irá ou não participar, o q nas entrelinhas significa grande chance de entrar em quadra semana q vem. Apenas acho q ele só deve participar se estiver em plenas condições para a disputa, algo q eu não descarto pois creio q ninguém em más condições faria os dois últimos sets que fez contra o Cuevas.

    Responder
  13. Luiz Fernando

    Dalcim, o calendário é exigente apenas para os TOPS, certo? pois estes jogam 4, 5 partidas nos torneios ou até 7 nos SLANS. Para a maioria são apenas uma ou duas por semana, daí o calendário maior da mais oportunidades a estes. Acho que a saída é a dosagem pelos TOPs afim de se autopreservarem, o que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não é bem assim. Você cansa de ver um tenista ir bem numa semana, com final e título, e perder na estreia na semana seguinte. Geralmente, por conta do desgaste.

      Responder
    2. Fernando Brack

      Desconfiei logo não ser o verdadeiro LF. Pergunta simplória demais. É evidente que os tenistas top podem fazer um calendário de torneios mais enxuto, já que costumam avançar mais nas chaves daqueles que disputam, consequentemente somando mais pontos no ranking. Jogar toda semana é pra bagrada que perde cedo semana sim e na outra também.

      Responder
  14. Walter Osório

    Nadal vai jogar o Finals e vai entrar “voando” ! Já deve estar tratando do joelho com aquele “remedinho” que só ele pode usar pois tem TUE ! O dinheiro manda ! Grandes patrocinadores e passaportes “amigos” garantem tratamento “especial” !

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Djoko saiu do Top 10 mas vai voltar logo, só torço pra q não enquadre o Rafa como fez há uns anos. Será o segundo da história q fechar o ano como número 1 após os 30…

    Responder
  16. Marcio

    No aguardo do Finals, onde temos pelo menos mais três jogos de Federer, para serem apreciados pelos admiradores do esporte em geral.
    Podem ser mais, torçamos para isso.

    Responder
  17. Guilherme

    Mestre, qual é a sua opinião sobre o Jack Sock e o Filip Krajonovic? Você acha que essa final de Paris foi uma autêntica zebra, em termos de total ausência de nomes mais conhecidos do circuito? Eu mesmo nunca tinha ouvido falar desses tenistas antes…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, nunca havia ouvido falar do Sock? Ele está há bastante tempo no circuito. Mas o considero um tanto limitado. O Krajinovic tem bons golpes, porém falta consistência.

      Responder
  18. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Vc cravaria o Federer como favorito disparado a conquistar Londres pela sétima vez? Ou correm por fora Nadal e Zverev? Ao meu ver dificilmente o suíço perde esse torneio, só se estiver muito, mas muito mal das costas. O que acha mestre?

    Responder
  19. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Dalcim, uma sugestão de post nessa semana de aquecimento do finals: um overview sobre como foi o ano dos 8 classificados, títulos, finais, GS, M1000, vitórias sobre top10, essas coisas.

    Responder
  20. Paulo F.

    Concordo com o raciocínio do Bruno Alexandre:
    – Calendário estafante e blá-blá-blá, mas jogar torneios exibições e cafonas como a Laver Cup sem problemas?
    Então não há do quê se reclamar.

    Responder
  21. Wagner Froes wanderley

    Bom dia Dalcim você acha que o Marcelo e o Bruno já podem serem considerados uns dos 10 maiores tenistas do Brasil em todos os tempos independente de ser simples ou duplas ?

    Responder
  22. Sérgio Ribeiro

    Rafa Nadal se não largou aquele monte de Ralis contra Cuevas, o fez depois pensando no FINALS. Não estava complicado para quebrar o Recorde de MASTERS 1000 que divide com Novak. Estou com Sock ” não tenho nenhum tipo de pressão. Nem eu sabia que poderia chegar ao Torneio ” . Entre aqueles trintões que todo ano já entravam derrotados, prefiro esses moleques que teem vitórias recentes sobre a dupla Fedal em torneios importantes. O mais velho que é Cilic tem os mesmos 29 de Del Potro. Acredito que ate’ o “limitadíssimo” Goffin não sai com três derrotas. A conferir! Abs!

    Responder
  23. Bruno Alexandre

    Parabéns pelo texto, sempre bem ponderado.
    Entretanto tenho que discordar quando você fala do “problema das costas do Federer no US Open. ”
    Dessa forma desmerece um pouco toda ascensão e crescimento do jogo do Delpo no segundo semestre.
    Convenhamos, o Federer alega isso ai e em seguida ganha Pequim e Basileia. Acho que na verdade uma hora após tantas vitórias o corpo cansa e a derrota virá inexoravelmente, simples assim. Sem mimimi de lesão.
    O cara jogou melhor e o outro caiu o nível por cansaço.
    Seria o Ônus de ser muito vitorioso.
    Duvido que se Atp ordenasse eles diminuírem o número de torneios e exibições $$ jogadas, os atletas topassem.

    Responder
    1. André Barcellos

      Acontece que em Montreal e no US Open ele jogou abaixo em todos os jogos. Nem parecia o mesmo.
      No mais, teve algum descanso entre USOpen e SHANGAI

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      A lesão das costas do Federer é sempre confessada por ele.

      E me parece evidente…

      Basta ver o número absurdo de torneios que ele pula, para se poupar.

      O que lhe custou até o número 1.

      Responder
    3. Chileno

      Seu raciocínio tem lógica, mas não creio ser o caso do Federer. Ao menos não nessa sequência de Montreal, US Open e Xangai. Na final de Montreal ele se arrastou em quadra. O saque e o forehand estavam fraquíssimos, sem potência, e sem precisão. É diferente de você ver o cara jogar mal porque não aguenta os ralis, não chega nas bolas, para de correr, etc. Mesmo quando a bola vinha na mão dele, os golpes estavam fracos e imprecisos. Sinal claro de lesão, e não de cansaço. Ele decidiu então pular Cincinatti pra tentar melhorar a tempo do US Open, mas acabou participando do torneio meia boca.

      Responder
  24. Oswaldo E Aranha

    O nosso blog anda um pouco enfadonho, pois 80 por cento ou mais dos comentários têm versado sobre a duo Nadal-Federer, como se o tênis de cingisse à dupla. Sei que vem uma pedreira para cima de mim, mas esse é o sentimento tenho tido.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Da’ uma olhadinha na turminha da WhatsApp , meu Caro. La’ rola de tudo como rolava aqui. Novak e Murray são mais populares do que eu imaginava kkkkkkkk . Só que lá a moderação e’ mais Light. As figuras somente retornarão quando os 4 estiverem jogando ao mesmo Tempo. Os Torneios importantes pouco significam … Abs!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Oswaldo, como a torcida se divide majoritariamente entre os 2, com predomínio dos q torcem para o suíço, nada mais natural que ambos polarizarem as discussões, num ano em q venceram praticamente tudo o q é relevante. Além disso, como os dois vinham de temporadas sem grande destaque, os sentimentos estavam um pouco represados kkk. No ano q vem isso deverá mudar, a não ser q esse domínio se mantenha. o q considero improvável.

      Responder
    3. Chileno

      Meio previsível isso, afinal Djokovic, Murray e Wawrinka estão no estaleiro, e a nova geração não empolga. Importante frisar que à época das conquistas de Zverev e Dimitrov, por exemplo, foi sim, bem debatido a respeito dos dois. Fora o tênis feminino né? Mas no masculino, agora, se não falarmos de Federer e Nadal, falaremos de quê?

      Responder
      1. Chileno

        Isso pra não mencionar que tenho visto um monte de mensagens sobre o Del Potro, e as chances de Carreño Busta, Querrey e demais concorrentes a vaga no Finals.

        Responder
    4. Rodrigo S. Cruz

      Vai se acostumando.

      Pois a tônica da maioria dos comentários será sempre esta mesmo…

      Semelhante aos blog de Fórmula 1… Aonde predominou por mais de 20 anos, a ETERNA discussão de Senna vs Schumacher.

      Responder
  25. Marcio Souza

    Engraçado alguns comentários de alguns lunáticos…quando dizem que o circuito masculino está com problemas e que isso é uma pena.

    No ano passado quando Nadal e Federer estiveram fora também para tratar lesões e se recuperarem o discurso era outro, afinal de contas os dois já faziam alguns anos que não conquistavam um Maior e por isso estarem fora do circuito não seria lá grande coisa, olha o tamanho da asneira e é a mente tacanha das pessoas.

    Esse ano Djoko, Murray e Stan jogaram pelo menos até Wimbledon e até ali tanto Federer quanto Nadal já tinham pelo menos um Maior e portanto o circuito vinha sendo disputado de forma normal.

    O problema é que como o NOTA DE 3 REAIS que vinha ganhando no circuito começou a ser entubado e derrotado pelos Istomin da vida, hoje o circuito está chato, mas no final de 2016 nao estava ne?
    Como diriam os mais antigos: PIMENTA NO DOS OUTROS É REFRESCO!

    É cada uma que vemos por aqui.

    Enquanto isso o 7° caneco do Finals já está sendo preparado para o GOAT ir buscar daqui 2 domingos.

    E olha como já tem alguns sofrendo kkkkkkk

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Pra mim parece obvio que o circuito está com problemas. Veja bem, o top 5 do tênis hoje (Wawrinka, Federer, Murray, Nadal e Djoko) tem mais de 30 anos, ou seja, a carreira deles não devem se alongar muito mais, principalmente do Federer. Dai num ano que 3 destes se contundem, os outros 2 varreram o circuito. No momento a unica esperança que vejo é o Zverev, porém o nível dele caiu demais no 2º semestre, mas ainda é novo, tem muito a evoluir. Na idade dele o Federer não tinha nenhum titulo de expressão. Se não surgir novas promessas nos próximos 3 a 5 anos, teremos uma péssima entre safra.

      Responder
  26. Marco Dias

    Dalcim, o Stan ficou em sétimo no ranking, para todos os efeitos conta como classificado pro Finals de 2017 mesmo ele estando afastado? Não sei as condições dele, mas se quisesse ele poderia disputar o torneio?

    Abs!

    Responder
    1. Vinicius Xavier

      Não sei como está a recuperação dele, mas bem que ele poderia fazer um esforço e jogar o finals. Uma vitoriazinha já são 200 pontos na conta, e em termos de ranking vai ajudar bastante. Ainda mais no nível de jogadores que vai estar esse finals.
      Considerando que ele volta em Abu Dhabi, em dezembro, ele já deve tá praticamente 100%.

      Responder
  27. Rafael

    Quanto à gozação que fiz dizendo que o lindinho seria desclassificado do Finals pelo Carreno-Busta, o mais incrível é que as combinações de resultados ridículos de quem teoricamente faria melhor do que ele fazem com que o Pablo AINDA possa se qualificar.

    Como dizia o glorioso Silvio Santos, “ISTO É INCRÍVEL!”

    O circuito masculino está com problemas, e o ano de Federer e Nadal apenas mascarou isto. Que bom para os dois, que pena para o circuito.

    Responder
      1. Rafael

        É muito melhor com Federer, Nadal, Djokovic, Murray, Wawrinka, Del Potro, etc….

        Deixe de ser bairrista, estou falando de tênis, não de torcida.

        QUEM da novíssima geração deslanchou após vencer seu 1o. Masters?.

        A ÚNICA – infelizmente – razão pela qual o Finals está tão recheado de presenças inéditas é a ausência – por contusão – de jogadores melhores que eles.

        Para algumas personalidades peculiares deste blog, o circuito nunca estará com problemas enquanto Federer estiver ganhando. Afinal, essas mentes prejudicadas pela genética só conseguem enxergar dualidades; quando muito iluminadas, tríades, mas são incapazes de apreciar o coletivo.

        Para mim, isso é patético, mas não me surpreende. Depois do que já vi…. Dou muito mais valor a uma nota de 3 reais do que às observações desses espécimes (tomara que em extinção).

        Quando Djokovic ganhava tudo, o circuito estava insuportável, né, afinal, como ele OUSOU se meter no curso da história imaginado por esses fanáticos?

        Agora, com uma dupla que surgiu no circuito há VINTE anos ganhando tudo outra vez, por sua genialidade, MAS TAMBÉM pela ausência de concorrência
        a altura, com ninguém “querendo” pegar a 8a. vaga do Finals, tanto que ela quase cai na mão do Pablo, com ninguém da novíssima geração apresentando consistência que indique que UM super talento, pelo menos, se estabelecerá…

        Considerando que Nishikori e Raonic – da outra geração, talvez seus maiores expoentes, tem problemas físicos crônicos e NUNCA conseguirão nada melhor do que conseguiram…. Considerando que o FENOMENAL Baby-Federer NUNCA vingou, seu Masters 1000 – jamais terá um SLAM sequer, foi absolutamente eventual….

        Ah, mas vc não falou que Djoko e Murray jogaram boa parte desta temporada…Jogaram COMO, em que condições? Murray foi mais malhado que um Judas por aqui, foi tachada de vergonhosa sua performance como No. 1. Djoko foi alvo de todo tipo de gozações. Os 2 estavam BEM? Estavam COMPETITIVOS?

        Para desqualificar DE VEZ qualquer um que disser que defendo essa posição porque sou anti-esse ou aquele:

        – Djokovic, na sua melhor fase, foi o jogador que mais me empolgava quando via jogar.

        – Creio que nunca verei na vida outro superatleta, com tantos valores e espírito de competição como Nadal. Que, além de muitas outras coisas, ganhou DEZ vezes o MESMO Slam.

        – O mais completo e mais espetacular jogador de tênis que vi jogar foi Federer.

        E o circuito (masculino) está com problemas….

        Responder
        1. Chileno

          Concordo com praticamente tudo Rafael. Aliás, gosto muito dos seus comentários na maior parte das vezes, ainda que discorde eventualmente. E neste seu comentário, eu discordo de algumas coisinhas pontuais.

          1 – Pra mim, o Murray esteve fisicamente bem até a temporada de saibro. Ele estava mal tecnicamente. Perdia porque jogava mal, e não porque o corpo não ajudou;

          2 – O Djokovic eu particularmente já senti mais limitações físicas desde antes de Wimbledon, quando ele decidiu encerrar a temporada. Mas até pelo menos o primeiro trimestre do ano, ele não aparentava ter limitações físicas em seu jogo, e sim parecia viver um momento de baixa técnica, assim como o escocês. Ele continuava correndo muito, devolvendo quase tudo, mas faltava poder de definição e aquela velha frieza nos pontos importantes. Ao menos, essa foi a impressão que tive. Ele também acabou enfrentando o melhor Kyrgios que vimos até hoje, seguidas vezes;

          3 – O Zverev é bastante novo ainda, e me parece sim que veio pra ficar. Ainda falta amadurecer pra adquirir consistência, mas acho que ele será um dos cachorrões do circuito em breve (arriscaria de 2019 em diante). Eu achava que o Thiem ia deslanchar, mas esse segundo semestre deu uma desanimada. Esse já não é tão novo assim. Quanto ao Dimitrov, bem… pra mim ele sempre será mais um jogador bom e só. Algo mais próximo do nível de Ferrer, Berdych, Tsonga, Monfils, Isner, etc. Aquele cara que dá trabalho, de vez em quando arranca uma vitória dos grandões, e mordisca um ou outro torneios, mas que não consegue jogar bem por longos períodos de tempo. Dificilmente vai ganhar um Slam, a menos que alcance essa consistência;

          4 – O circuito não está muito bom de fato. Apesar do renascimento de Nadal e Federer, e do mágico Australian Open (na minha modesta opinião, um dos maiores momentos da história do esporte), o momento fraco de Murray e Djokovic, bem como suas derrocadas antecipadas na temporada juntamente com Raonic, Wawrinka e Nishikori deixaram o circuito esvaziado. Wimbledon e o US Open (especialmente o US Open) foram meio decepcionantes.

          Os masters do segundo semestre também foram meio brochantes. Zverev ganhou Montreal de um Federer claramente lesionado, num torneio que já foi bastante esvaziado. Dos cachorrões, só o Nadal jogou em Cincinatti. Xangai me parece ter sido o melhor dentre estes, pois ao menos teve os dois líderes do ranking disputando a final. Em Paris o Nadal foi meia boca e acabou desistindo. Mesmo nos Masters do saibro, Djokovic e Murray jogaram de maneira irreconhecível, e Federer não jogou. O que tornou essa parte da temporada mais interessante, surpreendentemente foram o Zverev e o Thiem.

          Responder
        2. Barocos

          Exatamente!

          Infelizmente, algumas tietes e outros tanto detratores insistem em classificar como parciais análises baseadas em estatísticas e imputam às suas preferências estilísticas ou meramente simpatéticas importância desmesurada. Vai entender ..

          Como já repetido aqui à exaustão, sejamos gratos pelo privilégio de assistir aos grandes duelos que Federer, Nadal, Djokovic e Murray nos brindaram, infelizmente esta época de ouro do tênis está chegando ao fim.

          Responder
  28. Bruno Costa

    Pergunta que não quer calar: Por qual razão a temporada no masculino termina tão tarde? Só a título de comparação. o finals feminino teve sua final em 29 de Outubro, enquanto que, uma semana depois, temos em andamento ainda um Master no masculino. Em suma. a temporada no masculino só vai terminar lá pelo dia 20 de Novembro. Não seria mais sensato finalizar a temporada ainda no final de Outubro junto com o feminino?

    Responder
  29. Rubens Leme

    Este final de temporada pra lá de estranho, mostrou o tamanho da falta de Djokovic, Murray, Wawrinka, etc. Nadal e Federer fisicamente estão longe do auge e a nova geração ainda não possui consistência e carisma para assumirem.

    Del Potro perdeu a chance da vida em conquistar um 1000 e poderia até chegar ao quinto ou sexto lugar no ranking. A verdade é que nos acostumamos tanto aos embates entre estes cinco que fica chato quando não se enfrentam.

    Enfim, é o que temos para o final do ano. Se elo menos o Stan ainda pudesse voltar. Ranking ele ainda tem.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ano passado nos 9 MASTERS 1000 tivemos Novak levando 4 , Murray 3 , Nadal 1 e Cilic 1 em cima de Murray. Presentes no FINALS apenas Thiem e toda a tal geração chamada perdida com direito a Nishikori , Raonic , Monfils , Cilic . Se saímos da mesmice foi agora, Caro Professor. Tivemos ao menos duas FINAIS Inéditas . E na outra o garoto Zverev bateu Federer. Desde 2009 que Del Potro não consegue vencer nenhum. E Rafa Nadal chegar baleado para o FINALS e’ coisa corriqueira , ainda mais aos 31. Abs!

      Responder
      1. Mario Cesar Rodrigues

        Hoje vou falar.que se dane Sérgio na boa,cara vc é estimulado a que?????você não contribui em nada,sabe aquele professor chato e burro vc é um deles.digo porque o que tu escreve qualquer pessoa sabe,porque não compartilha outros conhecimentos vc só entra fala e manda abs,fala parceiro e tal,vc é chato cara na boa,tu acha que todos aqui não entende de tênis.?porque vc quer dar uma de Professor pardal,tu se for humilde vai pensar no que te escrevi ok!

        Responder
        1. Nando

          Kkkkkkkkkkk, soa mto engraçado isso vindo de vc hein Mário kkkkkkkk, quem vê o q vc comenta aki e nas páginas de notícias do site (isso qnd dá lra entender o q vc diz né), percebe-se o quão isento vc é….nada parcial né kkkkkkkkk

          Responder
        2. Sérgio Ribeiro

          MC Rodrigues Rodrigues kkkkkkkk Uma comparação entre a temporada de 2016 com a de 2017, faz mal somente a um Fanático desmemoriado e Sócio de Farmácia. Claro que não é o seu caso. Rafa Nadal começou a ser N 2 em 2005 lembra ? Então vai procurar sua Turma . Aqui você somente paga Mico kkkkkkk E desde aquela época o Espanhol sempre chegou à meia boca no FINALS . Dai a propor a troca para Saibro. Se liga ! Abs!

          Responder
          1. Mario Cesar Rodrigues

            Obrigado pelo sócio vc tem razão sou desmiolado mesmo.tem razão em perder meu tempo em entrar em comentátios de gente boa,gente da melhor qualidade.um expert em tênis.sócio de Fármacia ok vai te catar!cara vai para praça jogar dominó!e sem dar aula viu parceiro!

        3. Jefe

          Mestre Dalcim.
          Agressão gratuita isso aqui hein, tem que moderar!
          Achei bastante pertinente a observação, pois de fato houveram outros jogadores presentes em finais importantes, o que é válido sim.
          Tem torcedor de jogadores no momento ausentes, que estão perdendo a noção.
          Calma pessoal, somos só espectadores de um esporte, apenas isso.

          Responder
  30. Barocos

    Dalcim,

    Sendo óbvio e repetitivo, do ponto de vista biomecânico, o tênis é um esporte muito exigente para os corpos de atletas de alto nível e, diferentemente dos esportes coletivos, não permite a divisão e rotação dentro de uma equipe – basicamente, o atleta é o time. Os membros inferiores estão sujeitos a movimentos bruscos em arrancadas e paradas, a coluna sofre com as torções e o braço dominante fica sujeito aos esforços de impacto. Resultado: desgaste e lesões nas articulações dos tornozelos, joelhos, quadris, coluna, ombros, cotovelos e pulsos. Para piorar a situação, a maior parte dos atletas não dispõe de instalações adequadas onde possam realizar atividades reparadoras/compensadoras. Como medidas mitigadoras eu sugeriria à ATP (claro que são necessários estudos científicos para avaliar o impacto das alterações):
    – bolas mais leves e rápidas (para poder diminuir o impacto e encurtar os pontos). Hipoteticamente, isto poderia ser conseguido com a alteração do diâmetro, material e características aerodinâmicas e de contato das mesmas;
    – sugestão de raquetes mais curtas, pesadas e menos rígidas (para diminuir o impacto). Devido à grande variação de preferência entre os atletas seria, muito provavelmente, a área com maior liberdade de opções;
    – quadras mais rápidas;
    – melhoria da infraestrutura para os atletas (hidroterapia, sala de ginástica com aparelhagem adequada, etc.);
    – se possível, a liberação controlada de medicamentos por equipes credenciadas que acelerem a recuperação de lesões mas que não afetem o desempenho (ou que o afetem infimamente);
    – alteração do calendário atual para permitir um melhor espaçamento dos torneios levando em consideração a importância dos mesmos (é ridículo que se tenha Montreal, Cincinnati e US Open com uma diferença de menos de um mês!).

    Novamente, nada muito científico, jamais trabalhei com a avaliação dos esforços associados às praticas esportivas, mas meus leigos e parcos conhecimentos me fazem supor que tais modificações melhorariam em muito as condições de trabalho dos atletas deste esporte maravilhoso.

    Responder
    1. JANAINA M. DIAS

      Excelente comentário Barocos. Concordo com suas sugestões, em especial a de espaçar um pouco o calendário; acho que elas diminuiriam razoavelmente o desgaste físico e o número crescente de lesões entre os tenistas… A ATP e ITF deveriam considerar um plano de ações assim para preservar os atletas e o esporte.

      Li, algumas vezes, que o DJOKOVIC usa câmara hiperbárica para restaurar o corpo. Também não sou especialista em saúde esportiva, mas talvez os grandes torneios pudessem oferecer um tratamento pós-jogo para os tenistas, em um protocolo que envolvesse imersão em gelo, massagem, infravermelho, analgésicos, oxigênio e/ou câmara hiperbárica (não sei se eles oferecem).
      Dalcim, existe um protocolo assim nos grandes torneios?

      Responder
  31. Pedro

    Dalcim, estava lendo um artigo na internet que dizia que o problema dos joelhos de Nadal eram provenientes de uma doença de nascimento em seus pés, chamada Kohler, e que, para que ele continuasse jogando usava sapatos especiais, e com o tempo, isso refletiu no joelho. O que de verdade existe nisso?

    Responder
    1. Valdemar

      Blá blá blá! A verdade é que o uso excessivo de doping faz a conta chegar um dia e esses dias estão chegando para o Nadaldoping ao menos que equipe dele descubra quanto antes outras substâncias… para o joelho do Cueca atolada kkkkk estará chegando ao fim já tarde de mais na minha opinião pelo menos a carreira dele.

      Responder
  32. Pedro

    Dalcim, muito difícil Nadal jogar o Finals. Não seriam dois jogos em Paris que acabariam com o joelho dele e o deixariam de fora do Finals. Se fosse, o mesmo raciocínio serviria para o Finals que aliás deverá ser bem mais concorrido. Ele deverá anunciar a desistência perto do torneio, mas sem nem entrar em quadra. Acho até bom, porque o Delpo poderá jogar, não é? O Nadal dificilmente derrotaria o Federer, ampliando para 5 derrotas este ano para o suiço. Ele também deverá se concentrar mais para o Australian Open que é talvez para ele mais importante e também tem mais chances. O que vc acha?

    Responder
  33. Rafael

    Heey Mestre
    O que o senhor acha que acontece com o Thiem? A derrota no USOpen machucou tanto assim? Vi os jogos dele em Paris, ele me pareceu totalmente sem confiança em seu jogo, cansado..

    Responder
  34. Gilvan

    Ah sim, se o Nadal disputar o ATP Finals, chegara ao numero incrivel de 18 torneios disputados no ano, sendo os 4GS, os 10 M1000 e mais 3 ATP500, alem do torneio londrino.
    Fazia tempo que algum jogador do chamado BIG-4 (ou mesmo do BIG-5) nao disputava todos os grandes torneios da temporada.
    Haja açaí!

    Responder
  35. Marcos RJ

    Seria mesmo lamentável caso Nadal decida nao jogar o ATP Finals. Torcemos pela sua pronta recuperação, proporcionando mais uma participação desprezível e outra chinelada épica (no caso dele chegar tão longe).

    Responder
  36. João ando

    Nadal vai tentar jogar e provavelmente vai abandonar o primeiro jogo….assim como o Thomaz nao vai jogar no rio como não vai jogar Montevideo….

    Responder
  37. Jefe

    Entendo que o único recorde ainda alcançável do Tênis seja o de títulos do finals, e pelo djoco.
    Se o bom jogador sérvio não conseguir, passarão eras até que alguém consiga.
    E Federer ainda pode aumentar esse número, ainda mais.
    A distância é enorme, e isso que o faz ser tão Absoluto.
    Os outros recordes Dele e/ou do Tênis não parecem ser alcançáveis.
    Relembremos os números:

    237.
    302.
    19.
    6.
    Curtamos.

    Responder
  38. Jefe

    Acho que aqueles que apreciam o esporte, estão aguardando pelo Tênis no finals.
    Vamos aos números.
    237. 302. 19. 6.
    Mas arrisca haver surpresas.
    Curtamos enquanto é tempo, independentemente dos resultados.
    Um dia Ele vai parar.
    Abraço.

    Responder
  39. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

    Dalcim, acho que Nadal só tem a ele mesmo por culpar por problemas no joelho.
    Pra que jogar Pequim? Mais de 30 anos na cara e ainda não aprendeu a montar calendário.

    Responder
  40. Sérgio Ribeiro

    O garoto Sérvio não tem culpa de nada. A Zebra está doidinha para passear. Del Potro deu como encerrada mais uma confusa Temporada. Não acredito que aceite a reserva no FINALS. Chamou a atenção a declaração de Agassi agora com mais tempo com Novak ” Eu não teria chances com o BIG FOUR. A maneira como cobrem a quadra toda e se defendem e’ espantosa ” . Se não tivéssemos a ridícula padronização , teríamos melhores espetáculos sem os jogadores tão arrebentados já no meio da Temporada. Dai que realmente não acredito na longevidade de Rafa Nadal, Murray e ate’ mesmo Novak. Os Franceses finalmente já estão se mexendo para mudar a data do MASTERS 1000 de Paris. E ATP depois deste melancólico Final de Temporada , já’ passou da hora de se mexer. Abs!

    Responder
    1. Rafael

      Com Del Potro não se qualificando e dizendo que provavelmente não ficará de standby no finals, esta temporada se qualifica automaticamente como completamente desinteressante, salvo pelo renascer de duas lendas que estão no circuito há séculos e de quem só seus torcedores ainda esperavam alguma coisa.

      Sem Djoko, Murray e Wawrinka, não há competição. Que Federer é espetacular todo mundo sabe, mas a novíssima geração – após o fracasso da nova – consegue impor a ele – e a Nadal – derrotas OCASIONAIS. Como já cansaram de dizer, Em suas idades, Federer, Nadal e Djokovic JÁ impunham derrotas e/ou desafiavam em pé de igualdade os maiores de suas épocas, no esplendor, ao invés do ocaso, de suas formas técnica e física.

      Some-se a isso a uniformização das quadras, a necessidade de mais correria, pontos mais longos que geram mais repetições dos mesmos movimentos e dos mesmos golpes, causando maior desgaste das respectivas articulações utilizadas = Federer sem costas, Nadal sem joelhos, Djokovic sem cotovelo, Murray sem quadril, etc.

      Por isso, este ano acompanhei o circuito feminino muito mais. E gostei do que vi, várias alternâncias, disputas emocionantes, concorrência prolongada, emoção até a última rodada, etc.

      Penso como o Dalcim, a falta de Nadal para dar esperança de mais um Fedal (mais do mesmo, mas traz hype) no Finals, seria a coroação de uma temporada completamente atípica e sem graça.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Esse Finals é o prólogo do que teremos à frente, com mais uma nova geração.
        O top 10 hoje é formado por caras, não sei a ordem exatamente após 1 e 2 que, cuidadosamente para não cometer injustiça, digo que tiveram pouco mérito para estarem ali. Os demais integrantes do Big4 e mais alguns que mantêm certa regularidade no circuito, fisicamente injuriados esse ano, deixaram esse espaço, culminando com uma temporada pouco brilhante, exceto pela distribuição dos Slam entre FEDAL e um torneio final que promete ser igualmente pouco empolgante.
        Assistir um Masters 1000 tendo aspirantes ao título personagens como Jack Sock , Julien Benneteau, um novato sérvio bem desacostumado com o ambiente (me lembrei do Janovic), realmente é para se alimentar as esperanças de novos ventos.
        Grande abraço.

        Responder
  41. Nando

    “Não há uma solução fácil. Pode-se mexer nas regras e diminuir a duração dos jogos, restringir o uso das bolas muito pesadas e lentas, mudar o ranking para diminuir os 18 torneios pontuáveis, espaçar mais os grandes torneios do calendário ou aumentar o intervalo entre as temporadas.”

    Mestre, será q mudar as bolinhas (as bolinhas do AO foram excelentes) e “despadronizar” os pisos, voltando ao q era antes, não resolveria boa parte do “problema” ???

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Acho que o fim da padronização recriaria os especialistas, tirando o domínio dos tops. Isso resultaria em torneios mais nocivos aos não especialistas, favorecendo as chances de derrota e consequentemente o menor número de jogos. Pra você ganhar em todos os pisos você teria que ser um jogador fora de série, mas existiria a alternativa para que os tops medianos tivessem sucesso se especializando em uma superfície.

        Responder
  42. Márcio Souza

    Nadal ja vem com o mesmo recurso que disputou a final de Shangai, colocando uma bandagem no joelho e ja dando uma migué, porque sabe que vai levar mais uma entubada categórica do GOAT caso os dois se enfrentem mesmo no Finals.

    É aquela coisa, se vence o discurso é de superação e coisa e tal, agora se perde é porque o joelho esta bichado.
    Isso não vai manchar em nada o 7° caneco do Finals que já esta garantido pro Mestre, resta saber se será com 5 vitórias e 1.500 pontos ou se GOAT vai querer jogar o ultimo jogo da fase Inicial do Finals com o freio de mão puxado e só levar no banho Maria, mas conhecendo o GOAT como conhecemos ele vai levar tudo e dando show inclusive.

    Quanto a besteira que o Agassi disse que o Cotonete é favorito a levar o AO, ótimo é isso mesmo, quanto maior a expectativa em torno do sérvio, maior vai ser a entubada que ele vai levar.

    Federer esta esfregando as mãos e não ve a hora de enfrentar o Cotonete novamente e empatar esse H2H logo e pra ja em Dubai voltar a liderar confronto.

    Ja quanto ao Nadal cada jogo entre eles a diferença vai só sendo reduzida, só torço para que até o final a carreira de um dos dois ainda possa haver mais uns 10 jogos entre eles, se houver, ah se houver…esse H2H vai ser triturado.

    Bora GOAT buscar esse 7° caneco do Finals…com ou sem Nadal.

    Bom domingo a todos!!!

    Responder
  43. SPIDER

    Tava torcendo muito pro Benneteau, mais não deu, o cansaço bateu, aí ficou dificil. Mestre, admiro esse tenista francês a alguns anos. Ele realmente não possui nem um título de nível ATP ?

    Responder
      1. Rodrigo Keke

        Dalcim, incrível como o Benneteau é um tenista “zicado”, não acha? Esse recorde negativo dele de 0-10 em finais de ATP (em simples) me parece não ter precedentes no circuito… e tem outros momentos também, como por exemplo aquele jogo em Wimbledon-2012 disputado pau a pau com o Federer. Ele chegou a estar a dois pontos do que seria a maior vitória da carreira. Ao menos em duplas o cara teve melhor sorte, tem até um Roland Garros no currículo.

        Responder
  44. Luiz Fernando

    Tem federete se descabelando, se so com o Nadal em quadra o ano ja foi equilibrado, imagine com o Agassi falando q o Djoko vem com tudo kkk…

    Responder
    1. Márcio Souza

      As Nadaletes então como você e o próprio Nadal estão enchendo as cuecas de diarréia ne? Kkkk

      Nessa atual fase do Federer o que ele mais quer e a gente que é torcedor raiz dele, é um novo confronto com o Cotonete pra empatar de esse confronto e ja em Dubai o próximo torneio pós AO colocar o Cotonete no seu devido lugar na história e nos confrontos, que é o de ficar atrás do GOAT.

      Responder
    2. Fabio

      Sou fã do Federer, na minha opinião, teoricamente falando, com o backhand do Federer deixando de ser um ponto fraco o Djokovic passaria a perder com mais frequência quando eles se encontrassem como era antigamente e existe a possibilidade do sérvio tirar pontos do Nadal. Admiro não só eles como alguns jogadores que estão fora do top 10 e até do top 20, alguns que nunca ganharam nada grande mas não vejo porque o Federer deveria ver a volta de outros jogadores como algo ruim para ele, se tirarem pontos dele também podem tirar do espanhol. O problema do Federer é o mesmo de todos, o tempo e as limitações físicas, algo que ele parece administrar melhor que a maioria, sendo algo que na minha opinião inspirou o Djokovic.

      Responder
    3. Guilherme P.

      Federer se descabelou com a presença de nadal? Kkkk…que piada. Nadal não evitou nenhum dos títulos de Federer. Jogo entre os dois têm sido barbada pró Federer. Após vencer o Australian Open, perdeu o receio e Nadal nem fez mais sets contra Federer. Acho que o Nadal que tem medo de ver o Federer na frente. Aliás, Djoko é outro que vence o Nadal constantemente. Lembrando, no melhor ano do Djoko, perdeu 3 vezes do Federer. Já Nadal…freguesia total do sérvio

      Responder
    4. Nando

      Acho q vc q está se descabelando e roendo as unhas hein LF? Pois com a volta do cotonete, do Murray, do Stan e dos outros lesionados, a “mamata” do espanhol (principalmente fora do saibro) acabou kkkkkkkkkkk.

      Responder
    5. O LÓGICO

      L Fabuloso kkkkk você realmente adora passar recibo kkkk, no varejo e no atacado kkkk. Quem se borra quando joga com o Djokão é o siri cagão, que agora se borra também quando joga com o FedereRei kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    6. Rodrigo S. Cruz

      Pois que venha o Djokovic.

      Será outro a ser belamente entubado.

      Com o que o Federer vem jogando, quem precisa se preocupar com o Djoko é o Nadal, afinal eles são do mesmo (sub)nível…

      Kkkkk

      Responder
    7. Jefe

      Vejo de outra forma.
      Deve ser terrível para os outros jogadores saberem que jamais alcançarão os números Dele quando chegou ao número 1 pela última vez, ainda em 2012.
      E o Tênis continuou ainda aumentando seus números, dificultando ainda mais aquilo que já era inatingível para os jogadores dessa era.
      Entendo que somente os títulos do finals possam ser alcançados, e a única chance é do bom jogador djoco.
      Mas esse talvez seja o menor dos recordes Dele, apesar de também muito importante.
      Curtamos o circuito.

      Responder
    8. Luiz

      Incrivel a performance dos dois esse ano.
      Imagina circuito de 2017 Sem dois!!
      Teria Seria muito desinteressante..
      Gosto mais do Federer, mas nadal que força mental tem esse jogador é inacreditável. Clramente poderia desistir contra cuevas, mas ficou.
      Admiro demais esses big four
      Dependendo 1918 pode ser ultimo com os 4 juntos em niveis parecidos

      Responder
      1. Joncio Souza

        É o único jeito dele conseguir chamar a atenção para si no blog. Provocar a torcida do suíço. Quando ele comenta sobre o espanhol não há a comoção por ele desejada.

        Responder
    9. Marcos Marinho

      Quero mais que ele volte com tudo e que o Federer melhore ainda mais. Esse ano devolvemos as derrotas pro Nadal. Ano que vem é a vez do Djokovic. Hehe.

      Responder
  45. Carlos Torre

    Dalcim, após assegurar o número 1, acho que o Nadal, caso sinta que não tenha condições de vencer o torneio, irá desistir de jogar o Finals. Uma pena, pq os demais jogadores, excluindo Federer é claro, não empolgam muito. Você acha que do ponto de vista estratégico, pensando na preservação do seu físico, ele fez uma boa temporada? Eu, particularmente, visto que ele encerrou como número 1, penso que sim.

    Responder
  46. Arthur

    Eu estou com o Dalcim nessa.
    Acho que o Nadal resolveu jogar Paris por conta da disputa pelo número 1.
    No entanto, no momento em que o Federer anunciou a desistência, o espanhol deveria ter feito o mesmo. Não iria mudar nada na disputa (ele continuaria em 1º ganhando uma só partida do Finals) e não arriscaria o joelho podre.
    Pra piorar, os franceses foram especialmente sacanas neste ano, colocando o piso mais lento da história dos indoors (e olhe lá se não é o mais lento da história, incluindo o saibro). Era uma vez joelho do Nadal.
    Agora, Federer vai só cumprir tabela pra levantar o 7º caneco em Londres. Com alguma sorte, ainda entra 2018 com chance de ser nº. 1 antes da Austrália.
    A conferir.

    Um abraço.

    Responder
    1. Cristiano Andrade

      Mesmo vencendo o Masters com 1500 pontos e Nadal desistindo, seriam ainda pouco mais de 100 pontos de diferença. Federer anunciou que joga a Copa Hopman (que não soma pontos) como preparação da Austrália. Assim a única chance de assumir a liderança seria vencer o torneio (defendendo a vitória desse ano) e Nadal caindo sem chegar a final. A outra chance seria em Dubai a depender dos resultados da Austrália. Para isso ainda precisa tirar 1500 pontos de diferença no Finals.

      Responder
  47. Luiz Reis

    Parece que Nadal e Federer só querem se enfrentar nas condições máximas de cada um. Assim, sempre que um acha que não está a altura evita o confronto. Muito respeito mútuo… Dois fujões.

    Responder
    1. Carlos

      Acho que quando vc entra em quadra sabendo que a derrota é quase certa isso não é coragem e sim estupidez. O que eles fazem é perder uma batalha pra ganhar a guerra.

      Responder
  48. Ernesto

    O Finals poderá perder de vez a graça?? Não entendi essa colocação… que torneio que possui Federer jogando perde a graça… a piada do século… isso eh forçar demais as colocações… eh fugir do profissionalismo e adentrar no amadorismo de torcida… essa forçou demais…

    Responder
  49. Mario Cesar Rodrigues

    Imagino a torcida do Federer,e os infiltrados torcerem para Rafa não jogar Londres risos.ele só não ganhou em Londres mas fez ótimas apresentações sendo derrotado em duas finais,mas enfim eu particurlamente se fosse Rafa não iria para Londres estou falando sério.vai para sua terra descanse e aumenta as chances de começar a temporada zero bala!mas é o que eu faria!número 1 ok ele já é!agora na reta final de sua carreira ele a meu ver deve priorizar sempre torneios afinal são as conquistas que daqui unas anos as pessoas vão lembrar.e que maldade hem ele tinha a chance de ganhar Paris e muita chance pela primeira vez.mas vida que segue!

    Responder
    1. Luiz Nunes

      Sr. Mário, vide seus posts sobre o Federer quando ele afirmou que disputarão Basel, Paris e Finals. O sr. o execrou dizendo que ele era ganancioso e outras coisas mais….e agora, com seu ídolo, literalmente, ferrado….diga, mãe Dinah de araque….

      Responder
    2. Nando

      Entra ano, sai ano…e até hoje não entendi uma vírgula do q vc disse, nem aki no blog e nos seus comentários fanáticos na página de notícias do site.

      Responder
  50. Clovis Andrade de Almeida

    Diante do “Big Four”, os novatos estão se constituindo em uma geração de “pipoqueiros”. Já disseram a que vieram: NADA. Se até aos 25 anos o tenista não ganhar nem um Slam, será sempre “uma promessa”. Cilic (ganhou um US Open no susto), Raonic, Dimitrov, Goffin, Anderson etc., jamais serão líderes do ranking. Falta consistência. Murray e Wawrinka podem pensar em aposentadoria, pois não passarão dos três Slams. Se ganharem algum ATP 1000 já estarão no lucro. Em razão do que acabei de escrever, Federer e Nadal ainda vão deitar e rolar durante mais dois ou três anos. Parece que teremos uma longa entressafra, como aquela que levou Jim Courier, Marcelo Rios etc. à liderança do ranking.

    Responder
    1. alessandro sartori

      Gostei em parte do comentário do amigo…mais parece ter colocado Stan e Murray em igualdade de patamar…o britânico está acima com certeza…sem contar o h2h do britânico contra o big3 que chega a ser equilibrado, ao contrário de Stam que apanhou e muito dos 3 melhores durante a carreira…sobre Cilic concordo plenamente, e o croata ainda além desse Slam tbm já conseguiu um Masters1000, tem muita gente melhor que ele que jamais vai conseguir tal feito…

      Responder
    2. Cristiano Andrade

      Correção sobre a entressafra.
      A grande entressafra que vimos levou Guga, Hewitt, Safin, Ferrero, Mota a liderança.
      Quando você cita Rios, o chileno foi líder por poucas semanas durante o domínio de Sampras, o mesmo com relação a Muster ou Target.
      Courier foi na transição de Lendl/Edberg/Wilander, um dos representantes da nova geração com Sampras/Agassi. Os anos de 92/93 ele se mostrou superior a seus compatriotas que se tornaram lendas do tênis, mas aí passou a sofrer com lesões num vai e volta até se aposentar em 2000 com apenas 29 anos. Courier teve uma curta e brilhante trajetória, de altíssimo nível, alcançou finais nos 4 slam (coisa que apenas 7 tenistas atingiram até hoje). Não o colocaria como destaque de entressafra, mas como primeiro destaque de uma safra genial (Courier/Sampras/Agassi).

      Responder
  51. Bruno

    Mario Cesar chamou Federer de ganancioso,egoista e outras coisas quando este tentava ser o número 1 antes do us open.
    E agora Mario?vai falar o que do queridinho?

    Responder
  52. Gilvan

    Dalcim, qual foi a ultima vez que um americano faturou um Master 1000? Ou mesmo um GS?
    Sinceramente, faz tempo que vejo americanos com potencial, mas com algumas limitacoes tecnicas gritantes (veja o backhand do Sock e do Johnson, o jogo de fundo e de rede do Isner, o jogo defensivo deficiente do Tiafoe), alem de uma falta de peito nos momentos decisivos.
    Vou torcer pro Sock apenas para que ele tire o Pablo Carreno do finals, pq ninguem aguentaria tamanha mediocridade no torneio dos melhores do ano. Contudo, se o Krajinovic vencer a final, estarei igualmente satisfeito.
    Quanto ao Nadal, duvido muito que ele se ausente de Londres. Vai jogar o mesmo tenis feioso de sempre e se bobear ainda passa de fase, ja que sao poucos os tenistas em boa forma neste final de ano. Chances de titulo sao nulas.

    Responder
  53. Sandra

    Dalcim, até que ponto o jogador mesmo arrebentado não joga devido aos inúmeros patrocinadores? é muito dinheiro em jogo. E quanto ao challenguer no country clube estou achando estranho eles abrirem o portão, até em época de eleição, aonde voto, eles encrencam

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil se cobrar ingresso para challenger, Sandra, em qualquer lugar do mundo. Mas aqui tudo é possível… Não acho que patrocinadores forcem um tenista a jogar este ou aquele torneio. O retorno já é gigantesco.

      Responder
  54. Luiz Fernando

    Creio q Rafa jogará o Finals, mas em q condições é a grande interrogação. Se não estiver bem, tomara q a ficha caia p as burrices cometidas na elaboração do seu calendário. De qualquer forma, em condições melhores ou piores, ele não é favorito diante de Federer, ao contrário, não dá pra postar outra coisa.

    Responder
      1. O LÓGICO

        Vamos instaurar uma CPI desse caso. Dessa vez o médico não foi pago e não confirmou a fraude do robozinho? Será isso. L Fanático pelo robozinho das profundezas do inferno? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
  55. Luiz Fernando

    No post passado, um torcedor do Federer, q aliás considero como não xiita e muitas vezes até ponderado, o Rodrigo Cruz, postou algo como “não entender como se poderia torcer contra o dito cujo” kkk. Que piada de mau gosto. Equivaleria a dizer q na época do Pelé não se poderia torcer contra o Santos, afinal ele não jogava ali, ou seja, torcedores do Sampa, Curintia e Palmeiras deveriam torcer contra seus times do coração. Voltando a brincadeira sobre o suíço, isso só pode ser encarado sob esse prisma, é inegável q trata-se de um grande campeão, com técnica e habilidade impares, mas daí a ser obrigatoriamente uma unanimidade vai uma longa distancia. Só faltou pregar em tom messiânico q os q não torcessem para o rapaz deveriam se penitenciar pelo “pecado”, talvez indo e voltando de Sampa a Aparecida de joelhos p pedir perdão kkk! No mesmo comentário também disse não entender como alguns poderiam odiar Federer, confundindo “torcer contra” com “odiar”. Se torcer contra é odiar, e muitos, inclusive eu, torcem contra o cara, como classificar a torcida contra de pessoas como o Lógico e como aquele rapaz dos fakes q comemorou a internação e cirurgia de apendicite do Nadal? Parece q a alienação está deteriorando para delírio kkk…

    Responder
    1. Viviane

      Olá. Gostei muito do seu comentário. Sou uma super fã de Federer, porém, nunca deixei de desmerecer ou desrespeitar os bons tenistas que ainda estão jogando.

      Responder
  56. Marcelo Reis

    De uma coisa estamos todos certos: o Nadal jamais deixaria escapar essa chance simples de manter o nº1. Mas realmente poderia ter parado após. Acontece que pessoas como ele são vorazes no que se refere a jogos e títulos. Imagine a dificuldade dele em ter que abrir mão de um Masters 1000, em uma cidade que já o agraciou inúmeras vezes. Olhando de fora, parece-nos uma decisão óbvia, mas só ele sabe o peso.

    O joelho dói e não é de agora. Ele terá que rever com seu staff e médicos a real possibilidade de ele jogar no Finals. Ele é um cara muitíssimo inteligente, e deverá tomar uma decisão que o favoreça a longo prazo, ainda que pra isso abra mão do último grande torneio do ano. Melhoras pra ele!

    O Federer também anda sentindo o esforço no corpo. Não é à toa que abriu mão desse atual torneio. Li em diversos blogs que se o Nadal não tivesse entrado em Paris, Roger teria continuado inscrito e iria pra disputa do nº1. Discordo veementemente. Mesmo que Federer conseguisse a proeza de vencer em Paris, nada garante que ele iria levar o Finals, ainda mais super casando e com dores como ele estaria. Ainda acho que ele seja o favorito, mas não me surpreenderá se ele não levar também.

    Já houve uma mudança de comportamento dos grandes com as longas paradas de Nadal e Federer. Espero que cada vez mais eles pensem em seu calendário de forma a otimizar suas performances. Se cometer um erro é humano, repeti-lo vocês sabem bem o que é.

    Responder
  57. Marcelo Araújo

    Uma pergunta, Dalcim: se Sock não for campeão, Del Potro seria o eventual substituto do Nadal? Se o espanhol não estiver em condições de jogar bem, o argentino talvez seria o único que poderia vencer o suíço em Londres. O que você acha?

    Responder
      1. Xx

        Dalcim e se nadal desiste depois da primeira partida? Ainda da pra substituir?
        E que temporada ruim hein dalcim.. caras de 35 anos fazendo final de slam, semi de Master 1000… e hoje um desconhecido de 25 anos e só 15 vitórias no curriculo indo pra final de paris.. torço pelos dois, mas acho que Federer e Nadal não terão outras temporadas tão molezinhas como essa não acha? Kkk

        Responder
  58. Claudionor Sabença

    Caro Dalcim, uma pergunta que nada tem a ver com o post:

    Existe alguma recomendação da ATP em relação à pintura das quadras duras? No passado tínhamos quadras verdes, vermelhas, cinzas e azuis. De uns tempos para cá praticamente todas ficaram azuis no perímetro interno, com uso de verde ou tons distintos de azul na parte externa. A única exceção é Paris, que chegou a usar azul em 2015 e 16, mas agora voltou ao verde.

    Há algum tipo de recomendação por conta da visibilidade da bola ou algo do tipo? Abraços!

    Responder
  59. Ricardo Lallo

    Apenas uma contribuição: entre UsOpen e Shangai, Nadal esteve em Pequim… o que foi até declarado como “surpreendente” pelo Federer.

    Responder
  60. Marcos Marinho

    Bem, o Nadal foi o jogador que mais disputou partidas neste ano. Mesmo fazendo um calendário enxuto, ele jogou muito porque ganhou muito. E ele continua levando muito tempo pra vencer suas partidas, jogando pontos longos, etc. Nem acho absurdo ele não estar 100% a esta altura da temporada. São raras as vezes em que ele chega zero bala pra disputar o Finals.

    O que preocupa é a recorrência de jogadores que normalmente não tem tantas lesões se retirarem de metade da temporada. Aconteceu com Federer ano passado (embora a razão da coisa, pelo que ele disse, tenha sido um acidente doméstico) e agora com Murray, Djokovic, Wawrinka e Raonic. Dentre outros.

    Dalcim, além do que você já disse em relação às bolas, quadras e etc., talvez não seria mais interessante fazer da Davis uma Copa do Mundo? Não precisa ser a cada quatro anos, mas em anos pares, pelo menos. A Davis é uma competição EXTREMAMENTE desgastante. Além de valorizar o evento vai poupar muita gente. Tem jogador que joga três melhores de cinco sets em três dias seguidos! Além disso, temos que acabar com essa porcaria de quinto set longo. Já melhorou muito quando acabaram com as finais em melhores de cinco no masculino. Claro que são medidas iniciais que estão bem longe de ser recorrentes, mas já é um início.

    Você não acha que esse tipo de solução é mais efetiva do que mudar as regras do esporte? Temo muito por esses novidadeiros que falam em acabar com segundo serviço e tal. Destrói o princípio básico do esporte: o sacador tem a vantagem. Enfim, gostaria que falasse mais sobre essas questões, se puder.

    Responder
  61. Rafael Wuthrich

    Dalcim, o que você aposta que acontecerá, Nadal irá no sacrifício? Acho uma temeridade, principalmente pensando no histórico dele e na temporada 2018.

    Responder
  62. Rafael

    Mestre,

    Mudando de assunto. O torneio challenger que acontecerá no Country Club do Rio é aberto ao público? Não acudindo site do torneio nem informações sobre ingressos.

    Responder
  63. Everton

    Oxalá o espanhol não dispute Londres mesmo. Federer campeão invicto diminuiria a diferença para meros 140 pontos. Então o suíço poderia disputar Doha e, se necessário, mais algum torneio na Oceania para recuperar o #1 no início da próxima temporada.

    Responder
  64. Diego Oliveira da silva

    Dalcim , na sua opinião , o fato do federer ter tido um ampla vantagem sobre o nadal nos últimos jogos , principalmente desde indian Wells sendo que o nadal não ganha um set do federer desde o aberto da Austrália , e por ele se comportar tipo o djoko faz contra o nadal , ataca desde a devolução , não deixa o espanhol bater parado e equilibrado , mexer mentalmente com o nadal ganhando pontos que era a área de escape do nadal , como os ralis , diminuir consideravelmente o número de slides durante o ponto e principalmente , a bola do preferida do nadal , a bola com top spin na esquerda do federer , algo que não funciona mais , VC acha que foi isso ?

    Parabéns pelo seu trabalho

    Responder
  65. O LÓGICO

    Me engana que eu gosto robozinho do joelhinho de cristal kkkkkkk A última vez que abandonou o finals por conta do joelho foi em 2008, e de lá pra cá ainda não resolveu o problema? Rapaz, esse esportista é um fora de série em milonga. Ele alega esse problema, mas nunca demonstrou nenhum sinal claro de que tinha algum receio em agravá-lo; muito pelo contrário, sempre exagerou no números de torneios nas duras e até duplas jogava. A única coisa que ele consegue esconder é a sua careca com prótese capilar made in China kkkkkkkkkk, o resto é bastante óbvio pra quem pensa de forma lógica, kkkk, como o LÓGICO kkkkkkkkk O bom é sabermos que o número 1 dos genéricos, tem prazo de validade curto kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  66. Renato

    Bom. Com joelho bom ou ruim, Nadal sempre foi um zero a esquerda no finals. Independente de suas condições, não vejo como ele tirar um set sequer de Roger, isso se ele conseguir chegar a final. So teria alguma chance se Federer estiver MUITO mal das costas.

    Responder
  67. gilvandro

    Acho que o problema não é nem tanto a temporada como um todo, o problema é que os principais astros do tênis já estão muito velhos, passaram dos 30 e os corpos deles estão cobrando o preço. Pouco tempo atrás a maioria dos tenistas se aposentavam na casa dos 30 anos e como os melhores estão com mais do que isso e a geração jovem não vinga nunca aí acontece isso.

    Responder
    1. Fabio

      Concordo plenamente, não vejo ninguém fazer frente aos seis jogadores mais fortes do circuito, que na minha opinião são o Big 4 mais o Wawrinka e o Del Potro sendo que até o Murray tem dificuldade com os outros sete e todos estão envelhecendo, Cilic se aproximou deles mas em idade avançada, Raonic e Nishikori são meio que de cristal e o japonês também não é tão novo. Federer mostrou um caminho para alongar a carreira mas o resto do Big Four joga mais na regularidade nem sempre tomando a iniciativa do ponto cedo, é um problema difícil de se resolver.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *