Guga foi a maior ‘zebra’ de Grand Slam
Por José Nilton Dalcim
29 de setembro de 2017 às 11:40

Numa roda de amigos no fim de semana de muito tênis, discutiu-se calorosamente quem teria sido a maior ‘zebra’ da história dos Grand Slam. Houve opinião das mais diversas, alguns lembrando os tempos que o Australian Open produzia resultados totalmente inesperados, outros argumentando sobre o estilo pouco apropriado de outros.

Resolvi então dar um parecer sobre o assunto aqui no Blog e listei os 10 resultados que mais me parecem fora de padrão desde 1990. Aliás, lembrei de uma curiosa relação que me foi enviada por um internauta vários anos atrás, em que ele colocava uma longa série de surpresas que marcaram os Slam.

Antes da lista em si, pesquisei as chaves de alguns torneios ‘estranhos’ e me deparei com dois realmente especiais: Wimbledon de 1996, quando Jason Stoltemberg atingiu a semi, MaliVai Washington chegou à final e o título ficou com Richard Krajicek, que havia eliminado Pete Sampras, e Roland Garros de 2004, vencido por Gastón Gaudio em cima de Guillermo Coria e David Nalbandian e que ainda teve Tim Henman como semifinalista.

Quanto aos feitos individuais, não tenho dúvida que a conquista de Guga Kuerten em Roland Garros de 1997 foi a maior ‘zebra’ de todas. O catarinense de 20 anos só tinha no currículo dois títulos de nível challenger, era apenas 66º do ranking e fez uma campanha espetacular, derrubando todos os campeões imediatamente anteriores do torneio (Bruguera, Muster e Kafelnikov).

Em segundo lugar, eu colocaria o vice do cipriota Marcos Baghdatis no Australian Open de 2006, jogador que só havia feito uma final de ATP e era 52º do ranking, eliminando três top 10 (Roddick, Ljubicic e Nalbandian) entre oitavas e semi. Na final, ainda ganhou o primeiro set do todo poderoso Federer.

A seguir, voto no vice do holandês Martin Verkerk em Roland Garros de 2003. Então 46º do mundo, havia conquistado até ali um ATP sobre carpete. Mesmo com seus golpes bem retos, tirou Moya e Cañas. Vinha jogando qualis no saibro europeu e quase perdeu para Flavio Saretta na semana anterior a Paris.

A quarta maior surpresa para mim foi o vice de Jo-Wilfried Tsonga no Australian Open de 2008. Então com 22 anos, jamais havia disputado qualquer final de nível ATP. Solto na chave como 38º do ranking, tirou três cabeças de peso (Murray, Gasquet e especialmente o 2 Nadal) e ainda saiu na frente de Djokovic na final.

Por fim, fico com Mariano Puerta como finalista de Roland Garros de 2005 no quinto lugar. Claro, o canhoto argentino era um especialista de saibro, então 37º do ranking e com um título e seis vices na terra batida. Tirou Ljubicic, Coria e Davydenko antes de levar virada de Nadal na decisão.

Minha lista das 10 maiores ‘zebras’ dos Slam modernos ainda incluiria cinco vice-campeões: Malivai Washington em Wimbledon de 1996 por ser um piso totalmente estranho a ele; Andrei Medvedev em Roland Garros de 1999, que era 100 do ranking naquele momento mas tinha bom currículo, tendo batido Sampras e Guga; e ainda Arnaud Clement no Australian Open de 2001; Rainer Schuettler no Australian Open de 2003; e Robin Soderling em Roland Garros de 2009.

Menções mais do que honrosas caberiam ainda a Jason Stoltenberg (semi de Wimbledon-96), Fernando Meligeni (semi de Paris-99), Wally Masur (semi do US Open-93), Nicolas Lapentti (semi da Austrália-99), Vladimir Voltchkov (semi de Wimbledon-2000) e Filip Dewulf (Paris-97).

E vocês, o que acham?


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Conforme exposto abaixo pelo Luigi, a estréia de Rafa em Pequim tinha tudo p ser complicada, pois esse frances é de lua e tem bom potencial. Além disso, seu jogo encaixa p atrapalhar Nadal, como se viu no USO 2016. E pelos comentários do site, Rafa de fato sobreviveu no torneio. Essas dificuldades me parecem também ter muito a ver com suas atuações ruins na Laver Cup, com erros infantis e nível de jogo insatisfatório. Mas o mais importante é vencer e ter uma nova chance de tentar jogar melhor, e isso ele conseguiu. Vamos pra segunda rodada.

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    Ta bom, vai…

    Reconheço que foi um mero lapso de digitação da ” Dolly”.

    Mas que é engraçado esses erros justamente em frases eivadas de extrema arrogância, isso é.

    (rs)

    Responder
  3. Luigi F.

    Estreia nada fácil para Nadal, diante do francês Lucas Pouille, 23° da hierarquia mundial que já eliminou Nadal do US Open(único Slam que tem o 5° set decidido no tie-break) no tie-break do 5 °set e tem 1 título na quadra dura: Metz, e o vice desse ano em Marseille. Abs!

    Responder
  4. Luigi F.

    Fake?( desculpem-me mas não consigo ficar sem dar uma boa risada ao escrever este isso!!!!)

    Para se comentar no blog a identidade é irrelevante,as pessoas querem repassar suas ideias e aprender sobre tênis. Seria covarde se estivesse cometendo crimes aqui e escondendo a cara, porém tudo o que falei está dentro da lei.E se eu um fosse criminoso, já estaria preso pois o anonimato aqui é apenas relativo: se ordenar, a justiça quebra o sigilo e rastreia todos. Eu percebo que as pessoas ficam te interrogando a respeito da tua identidade e te acusando de fake pq se sentem incomodadas com comentários que você faz e gostariam de ter um nome, um rosto, um alguém para atacarem diretamente pois lhe faltam argumentos. Futuramente, posso me identificar sem problema algum, mas por enquanto minha identidade é irrelevante, e quero que absorvam as ideias e textos de forma nua e crua. Não devo nada a ninguém, mas para tudo existe uma hora certa.Abs!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      É que as pessoas estão tão acostumadas com os fakes da torcida do Federer, alguns já enumerados pelo próprio Dalcim, que agora atribuem quem critica o cara com essa pecha…

      Responder
  5. Andre Alves

    é que vc pontuou como inicio no anos 90, mas um ano antes em 89, o Chang talvez tenha sido a maior zebra, tinha me parece que 17 anos, quando conquistou RG…
    Lembro que quando o Guga ganhou, ele deu uma entrevista dizendo para o Guga que oscilar seria normal, para não deixar isso influenciar sua carreira…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Também acho que o Chang foi uma grande surpresa, André, mas respondi logo abaixo aí que o currículo já era bem superior ao do Guga de 1997.

      Responder
  6. Luiz Fernando

    A armada espanhola não dá certo com o magistral Steve Darcis, não bastasse o Nadal perder em W2013, hj quem rodou foi o PCB, com direito a pneu no primeiro set…

    Responder
  7. Luiz Evandro

    Andrez Gomez campeão em Roland Garros em cima do Agassi… E essa Dalcim? Quais eram o ranking de cada e o efeito zebra de ambos? Que eu me lembre os dois eram zebras. Abraços.

    Responder
  8. João ando

    Clezar conta com o apoio de Larry em Campinas. Espero que o Larry de orientações técnicas para esse rapaz que só tem 24 anos e que consiga tirar o racismo que ele tem incrustado na sua cabeça ja que disputa o circuito profissional ha pelo menos 6 anos. …pois o que aconteceu no Japão foi imperdoável. …

    Responder
  9. Philip

    Boa noite,Dalcim! Primeiramente, parabéns pelo blog, acho fantástico seus comentários.

    Quanto ao post, em 2005, a conquista de Nadal em RG foi considerada uma zebra ou já se imaginava que ele seria um dos maiores jogadores da história?

    Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, acho que não se pode chamar de zebra, ainda que tenha sido seu primeiro Slam. Nadal já era claramente um grande jogador de saibro. Ele vinha de títulos em Monte Carlo, Barcelona e Roma, além de ser então o quinto do ranking.

      Responder
  10. Tavares

    Discordo que Guga tenha sido uma zebra. Até porque, depois, ele venceu mais dois RG, finals, masters e foi número um do mundo, ou seja, se não fosse em 97 seria em outro ano. Zebra pra mim são aqueles caras de “apenas um grande resultado”. Tipo os que foram citados aqui mas depois não conseguiram mais nada de relevante na carreira.

    Responder
    1. Anderson

      Cara, quando alguém fala de zebra no esporte, está sempre se referindo a surpresa numa ocasião específica. No caso do Guga ele foi zebra, e uma das, senão a maior dos vencedores de Slam, depois obviamente deixou de ser…

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Tavares,

      Num certo sentido, zebra é qualquer resultado inesperado.

      Daí, se poder dizer que Guga em RG 97 era zebra.

      Pois ocupava a modesta 66° colocação do ranking, e até então, não tinha tido nenhum resultado expressivo na carreira…

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, um feito incrível. Mas ele já tinha feito três finais em Wimbledon e outras duas semis, ou seja, a surpresa foi quando ele venceu (quando ninguém mais esperava). Ainda vale lembrar que ele tinha antes disso uma vasta coleção de títulos de ATP (19, incluindo dois Masters).

      Responder
  11. Luigi F.

    Não há como discordar de você Valmir, acredito que você e o Paulo F. são os torcedores do Djokovic mais contundentes do blog, entre outros.

    Djokovic tirou o reinado de Nadal em Monte Carlo, 2013;já ganhou do legítimo rei do Saibro em todos os torneios importantes do piso( Frauderer só ganhou no rebaixado ATP de Hamburgo e no saibro anormal de Madrid, isso por que ele é o melhor e maior de todos os tempos)

    Dava para Djokovic ter ganhado de Nadal em Roland Garros 2013, mas aquele esbarrão na rede foi um erro mental.

    Djokovic perdeu, mas com muita hombridade e vergonha na cara,um exemplo de honra e coragem.Diferente de Frauderer , com seu topetinho frouxo e cara de donzela foi humilhado várias vezes.Aquilo que aconteceu em RG 2008 foi um crime contra a alma.

    Djokovic sem mídia, mas honrado e competente.Que o seu nome e sangue continuem eternos nesta terra maldita! Grandes homens e verdadeiros ídolos ou são ignorados ou mal interpretados pela massa covarde.

    Um homem viril e honrado sempre honra sua palavra, em qualquer circunstância. mesmo que isso o prejudique. Falar que vai sair do blog e depois voltar é coisa de monobola.Ser do sexo masculino não é o bastante para caracterizá-lo como HOMEM!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bom, sobre esta de eu ser homem viril, e ter bolas.

      Isso daí eu deixo completamente à cargo da tua fértil imaginação…

      Apesar de que se eu fosse você, procuraria urgente era uma boa companhia feminina.

      Ficar introjetando na mente, a virilidade alheia, não é uma coisa que vai te ajudar muito. (rs)

      Até porque ser “macho” pela internet, qualquer alma medíocre consegue.

      E você não me deixa mentir.

      Abs.

      Responder
      1. Renato

        ” Ficar introjetando na mente, a virilidade alheia “. Kkkk Não faz assim Rodrigo! Kkkk Também acho no mínimo estranho ficar elogiando a “virilidade ” de A,b ou C.

        Responder
      2. Luigi F.

        Milhões de pensamentos que você tem, e foi isso que escolheu isso para responder?! Seja mais inteligente, Não consegue? Esforce-se mais. Os milhões de pensamentos que você tem são, em sua grande maioria, inúteis. Pense melhor antes de escrever o que você não sabe. Pois foram julgamentos estúpidos e a referência você mesmo.

        Respeito eu tenho por pessoas com comportamento que eu admiro. Falar uma coisa e fazer outra não é um deles.

        Enquanto muitas pessoas ficaram no conforto de suas casas se lamentando nas redes sociais, o maremoto que provocou um tsunami que devastou o Japão , eu tava lá em busca dos sobreviventes.Você é um desses? Em países onde militares são úteis, como os EUA, aconselho muito a seguir uma carreira militar.

        E hoje começa o ATP 500 de Pequim, vou acompanhar e estarei na torcida por Nadal junto com a minha família,esposa e meus filhos. Abs!

        Responder
    2. julio

      Caro Luigi F, muito bom dia nessa bela segunda feira chuvosa e maravilhosa, não lhe conheço nada, mas eu tenho certeza que você consegue lá no seu íntimo mais profundo, e tenho certeza disso, achar uma forma menos rancoroza de se dirigir às pessoas.
      Se você soubesse o quanto faz mal ao espírito atitudes como essas, tenho certeza que vc repensaria esses seus sentimentos.
      Vamos tentar enaltecer os feitos alheios, principalmente o de nossos concorrentes, ou adversários.
      Eu sei que isso é muito difícil, e quase impossível, mas viemos para este planeta para aprender a amar e a não odiar.
      Sei que parece frouxo quem é humilde e pacato, mas tem que ser muito mais homem que o normal para ter uma atitude assim, principalmente porque vai de contra tudo o que aprendemos em milhares de anos.
      Federer a Nadal já demonstraram várias vezes o seu apreço pelo esporte e o quanto são amigos e se respeitam.
      O tenis foi criado para ser uma ferramenta de convivência pacífica e não de ódio, é provavelmente o esporte mais belo e gracioso do planeta, em que proporciona imagens belíssimas de pessoas antagonistas se abraçando ao final de várias horas de um duelo mortal, onde a maioria mostra seu nível espiritual ao enaltecer o quanto o adversário mereceu a vitória, isso é muito mais bonito que assistir ao próprio tenis em si.
      Quem gosta de tênias o gosta por saber no seu íntimo o quanto este esporte é maravilhoso, vamos honrar a este esporte com atitudes iguais aos de seus jogadores, que nos ensinam diariamente atitudes nobres, e vamos tentar repassar às nossas crianças estes mesmos valores.
      Luigi, me desculpe e perdoe se por acaso eu possa ter lhe ofendido, jamais foi essa a minha intenção, e nem de lhe criticar porque críticas nunca são construtivas, tentei lhe acordar para a realidade de nosso planeta tão destruído pela insensates dos seus habitanttes, acredito que em seu coração exista coisas maravilhosas que vc possa compartilhar com a humanidade.
      Grande abraço.

      Responder
      1. Luigi F.

        Julio obrigado pelas palavras, vou levar em consideração. Hoje em dia é moda que homens demonstrem sensibilidade. “Insensível” virou ofensa, e muitos homens paspalhos morrem de medo de serem acusados de machistas só porque não choram no final do Titanic ou não gostam de filmes da Meg Ryan.

        A grande realidade é que sensibilidade não é uma característica pertinente ao masculino. Nossa história mostra que homens bravos e valentes construíram a civilização, e não homens chorões. Mulheres comumente dizem que “gostam” de homens chorões e sensíveis porque se sentem superiores e se deliciam internamente com essas fraquezas.Não se engane, a sensibilidade masculina é uma farsa. Construímos a civilização com força, e não com lágrimas. Não sobrevivemos a catástrofes naturais e tragédias ouvindo Cine e chorando no quarto, nós arregaçamos as mangas e reconstruimos o que perdemos, reconquistamos o que nos roubaram e assim seguimos em frente deixando um legado. É assim que um homem de verdade age.

        Já parou para pensar que, ao mesmo tempo em que as mulheres dizem que gostam de homens sensíveis, elas vivem procurando um homem seguro e protetor, saindo até mesmo com os tais cafajestes e playboys insensíveis de quem tanto reclamam numa tentativa de domá-los? Isso porque elas sabem que homens sensíveis se mostram na verdade fracos, melosos e pegajosos, o que ao inconsciente (e consciente) feminino significa um péssimo macho protetor. Não confunda sua mulher com sua mãe. Embora elas de fato sejam companheiras e possa haver cumplicidade, chorar no colo delas não resolverá nada, só demonstrara fraqueza e seu desespero. Seja seguro, mas lembre-se: não caia no outro extremo.Equilíbrio é a chave para ser respeitado. Ser um bundão que chora por qualquer motivo não vai te fazer pegar mais mulheres, esqueça o que elas dizem e seja forte, seja um líder.

        Além do quesito mulher, se você resolver bancar o homem sensível que se comove e chora por qualquer motivo, não terá forças suficientes para ser um líder em qualquer campo da vida. O mundo não é um mar de rosas, grandes merdas e tragédias acontecem a todo momento e a sociedade depende de homens fortes para sobreviver. Ficar chorando porque não consegue entender a matéria na faculdade, porque seu chefe é turrão ou seus pais pegam no seu pé não vai resolver nada, cale a boca, tenha culhões, trabalhe e estude, é assim que se consegue vencer.

        Te roubaram? Foi assaltado? Eu já passei por isso. Sei que é ruim e revoltante, mas chorar não é a solução. Arregace as mangas e reconquiste, e deixe que a morte ou cadeia seja o destino dos vermes que lhe tiraram seus bens. Você é um homem de verdade, não se deixe abater por canalhas e vagabundos imprestáveis. Seria uma grande perda para a sociedade. Isso tudo quer dizer que homens de verdade não choram nunca? Sim, eles choram. Mas apenas diante de algo cuja solução fuja de seu alcance, como a morte de um pai/mãe ou familiar muito próximo (e certamente evitará fazer isso em público, afinal suas emoções dizem respeito apenas a si mesmo). Quando está ao alcance do homem de verdade solucionar o problema, ele não pede tempo chorando igual uma galinha: ele vai lá e faz acontecer.

        É politicamente correto dizer que homens sensíveis e extremamente gentis são melhores, e que homens mais truculentos e fortes emocionalmente são ignorantes. Mas não se preocupe com isso. Quando a coisa aperta, todos querem a ajuda do homem forte e insensível.

        Homens “insensíveis” arregaçam as mangas e buscam sobreviventes do Tsunami, ao invés de ficar chorando a tragédia no Twitter. Você é um desses “insensíveis”? Abs!

        Responder
    3. Nando

      Outro fake torcedor do cotonete? Kkkkkkkkkl
      Hilário, pra não dizer patético….será q é mais um do “Paulo Coelho dos comentários” ?
      O cara mal tem torcedor aki e ficam criando fakes pra dizer q a torcida dele “cresceu” kkkkkkkkkk

      Responder
  12. Chetnik

    Dalcim, se você pensar em zebra pelo “conjunto”, e não um GS isolado, você não acha que o Wawrinka ter vencido 3 GS é uma das grandes surpresas do tênis? Por mais que o talento existesse, duvido que alguém imaginasse possível que ele se tornaria o que se tornou, já que ele não era mais nenhum garoto, e era um completo coadjuvante no circuito.

    Outra, podem falar o que for, que nunca se pode duvidar dos grandes campeões e não sei mais o que, mas, pra mim, o Nadal e o Federer terem vencido TODOS os GS de 2017 é uma surpresa maior do que qualquer resultado que eu já vi numa quadra de tênis.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, de certa forma. O que surpreendeu no caso do Stan não foi a conquista em si, mas seu controle emocional e evolução física a partir dos 29 anos. Ele sempre foi um jogador de enorme potencial, mas um tanto desleixado com o corpo e os treinamentos.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Austrália diminuiu drasticamente essa tendência nos últimos tempos porque os tenistas agora se preparam muito melhor, sem falar que há um tempo maior para a pretemporada e descanso. Era bem comum vermos jogadores chegarem completamente fora de ritmo em Melbourne até mesmo na década de 90.

      Responder
  13. marcilio aguiar

    Dalcim. Apesar de Guga em 1997 ter sido a maior zebra, segundo a sua análise, ele também foi o único que confirmou ser um grande campeão entre todos da sua lista do “Top 10 zebrado”. Entre os demais, acho que o Tsonga consegui um desempenho de alto nível por várias temporadas, permanecendo no top ten por alguns anos e o Soderling também era consistente, porem teve a carreira encerrada precocemente.

    Responder
  14. marcilio aguiar

    Caro Dalcim, considero o feito de Guga extraordinário pelo seu baixo ranking, pela dificuldade da chave (contra os 3 campeões anteriores sendo dois especialistas em saibro: Muster e Bruguera) e por não ter vencido nenhum grande torneio antes (acho que nenhum ATP).
    Considero também surpreendentes as vitórias de:
    1) Ivanisevic em WB 2001, apesar de ser finalista em anos anteriores, porque já no ocaso e como convidado;
    2) Peter Korda no AO 1998. Não sei do seu ranking e do histórico no torneio, mas para mim foi surpresa. Depois veio a constatação de doping.
    O que voce acha da vitória do Korda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Korda foi uma considerável surpresa, mas ele já tinha muitos resultados de peso no circuito, como o título no Masters de Stuttgart e na Grand Slam Cup (além de outros seis ATPs na quadra dura e carpete), sem falar na final de Roland Garros de 1992 e de outros dois Masters. Portanto, era um jogador de vasto currículo. Era sétimo do ranking quando jogou em Melbourne e saiu dali como 2.

      Responder
  15. diego adrian

    Boa tarde Dalcim. Sabe me dizer qual era o ranking de Gaudio na previa de Roland Garros de 2004 e a quantidade de títulos e finais que tinha antes de ganhar esse RG?.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele já havia ganhado Barcelona duas vezes e também torneios de gabarito como Stuttgart. Já tinha sido top 20 meses antes. Entrou como 44 no torneio.

      Responder
  16. Tavares

    Para mim a maior zebra da história foi um baloeiro como Rafa Balonal ter vencido Wimbledon, até em cima de Federer. Se bem que o suíço estava com mono………

    Responder
  17. Bartolomeu

    O grand slam mais estranho que acompanhei foi, também, o primeiro grand slam que acompanhei pra valer. Australian Open de 1999. Sampras, salvo engano, desistiu na última hora por contusão. Os cinco melhores ranqueados não passaram da quarta rodada. E tivemos uma semi bizarra, com Thomas Enqvist, Kafelnikov, Lapentti e um adolescente Tommy Hass. No final, o título ficou com o Kafelnikov, o que amenizou um pouco a zebra, mas vale lembrar ele era o décimo cabeça de chave.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Chang sem dúvida foi uma boa surpresa. Era 19 do ranking, ainda que tivesse apenas 17 anos, e já tinha vencido um ATP na quadra dura. Venceu Lendl, então 1, e Edberg, que foi também uma surpresa no saibro, na final, mas também teve jogos estranhos (quartas contra Ronald Agenor e semi diante de Andrei Chesnokov). Gomez, ao contrário, era um ‘veterano’ de 30 anos mas com vasto currículo, com dois títulos em Roma e dois em Barcelona antes da grande campanha em Paris. Era sétimo do mundo e portanto um dos maiores cabeças de Roland Garros de 1990.

      Responder
      1. Marcelo

        Considerando todo o histórico do saibro de Roland Garros e a recente “estabilização” dos campeões do Australian Open, creio que RG seja o GS mais propício a zebras, mas o motivo não saberia dizer. Talvez por ser um lugar onde o tênis defensivo se adapte melhor.

        Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O Tenista em questão fez CINCO Finais em Rolanga e bateu o Rei do Saibro em duas Finais de MASTERS 1000 nesta superfície. Tentar diminuir os feitos de Soderling e sua conhecida Agressividade , beira a mediocridade . O Sueco bateu simplesmente o primeiro e o terceiro maior Finalista do Torneio ( Borg e’ o segundo ). O Espanhol perdeu em Rolanga também para Novak Djokovic em 2015. Em em 2016 depois de vencer com facilidade as duas primeiras rodadas abandou o Torneio alegando lesão no Punho. Ou seja, também não é imbatível , assim como o Suíço também não o e’ na Grama Sagrada . Abs!

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Opinião cada um tem uma, medíocre e querer sempre desmerecer as postagens dos demais ou, acima de tudo, considerar-se acima dos demais baseado apenas em opinião própria, que e o seu caso.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Aquilo ali não foi opinião, foi provocação.

            “Frauderer” e outras bobagens.

            Mas como todo mundo aqui provoca a todos mesmo, tá de bom tamanho (rs).

          2. Sergio Ribeiro

            Você mesmo Postou que Soderling atingiu 2 vezes consecutivas,a Final de Rolanga, LF.E também o TOP4. Fez multa falta ao Circuito.O Comentário depreciativo e’ mediocre (significado de mediano ), e que você ja’ cansou de repetir rsrsrs Abs!

        2. Luigi F.

          O Frauderer envergonhou a si mesmo, e principalmente seus fãs. Ele ficou devendo uma vitória em cima de Rafael Nadal no templo do saibro;já que o rei do saibro, ganhou do Frauderer na Grama sagrada na final de 2008.

          Fiquem á vontade para discordar.Até mesmo pelo simples prazer de discordar defendendo o ilógico absurdo, fazendo comparações ilógicas, não-relacionadas e imbecis, contrariando todos os fatos e estatísticas. Abs!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Federer demonstra que se envergonha muito perante o Espanhol kkkkkk Seu objetivo claro amigo Fraudolento, e’ apenas alguns momentos de fama. Às vezes se consegue algumas respostinhas com comentários medíocres ….ABS!

          2. Rodrigo S. Cruz

            Imbecil é não perceber que o jogo do suíço é muito inferior no saibro, em comparação com a quadra dura ou a grama.

            Imbecil é omitir que ele teve de enfrentar o MAIOR E MELHOR jogador de saibro da história…

            Portanto, é óbvio que seriam bem diminutas as chances do Federer vencer o Nadal, lá em Roland Garros.

        3. Mário Cesar Rodrigues

          Este Sérgio,e um cara difícil de entender os outros,viu ele sabe tudo ele pode tudo coitado!Será que ele não se enxerga!po cara dá um tempo!deixem as pessoas falarem o que desejar dentro de uma normalidade quando se tem debate ok mas nunca ou quase nunca é o caso e você entra para questionar e para comi sto! e ainda manda um abraço que isto se enxerga!Como se fosse o tal!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            MC fica na sua e da’ um pulinho no seu quarto kkkkkk La’ fatalmente vai rever a foto que te faz feliz antes de dormir kkkkkk ABS!

  18. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,
    Uma das maiores surpresas foi a derrota do Safin para o sueco Johansson no Australian Open de 2002.
    E neste Slam ainda teve o tcheco Jiri Novak sendo semifinalista contra o sueco.

    Responder
  19. Marcelo

    Acho que a conquista do Johansson em 2002 foi bem surpreendente. Não sei se uma das dez maiores, pois não sei a quantas andava a carreira dele na época.
    Dalcim, você tem esperança no Karue Sell? Vinha de uma ótima sequência de vitórias até perder para o Marcondes hoje, se retirando.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Johnasson já havia ganhado seis ATPs antes do título e era então 18º do ranking. Portanto, uma relativa surpresa. Nas sete vitórias, só venceu um top 20 (Safin, na final). Sell passou os últimos anos estudando e jogando o Universitário americano. Não o vi mais jogar desde a ida aos EUA, então é muito difícil avaliar qualquer coisa. Mas sempre torcendo, Marcelo!

      Responder
  20. Anderson

    Não sei se é algo fácil de pesquisar, mas sem dúvida alguma as cotações nas casas de apostas seriam o indicador de zebras mais interessante. Como se diz na minha terra, “lavou a égua” quem quer que tenha apostado um bom valor no Guga em 1997 e no Gaudio em 2004, hehehe…

    Confesso que antes da década de 90 é terreno um tanto desconhecido pra mim, pois não conheço bem a carreira dos tops da época. Por exemplo, não faço idéia se caras como Wilander, Edberg, Gomez, Noah, Cash e aqueles quase anônimos vencedores dos AOs pré-90 eram pouco ou muito favoritos quando venceram seus primeiros Slams.

    Por isso, só pra fugir dos exemplos mais óbvios, como Cilic, Ivanisevic, Chang e Johansson, diria que uma grande zebra dos tempos mais recentes seja o Wawrinka em RG2015, embora nem se qualifique de verdade como zebra, já que era um top e muitíssimo respeitável campeão de Slam e até Masters no saibro… É que a expectativa em torno do primeiro RG do Djoko era colossal entre os fãs de tênis mais casuais… Eu mesmo, embora super fã do estilo agressivo do Stan, nunca teria apostado que ele acertaria tantos winners naquela final contra o Djokovic…

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Renato, pela primeira vez neste blog vou concordar contigo.
      Meligeni em 99 poderia ter ido até a final o jogo contra o Medvedev foi muito parelho e o mesmo já relatou que os nervos o atrapalharam demais na semi.
      Costa ter ganhado do favoritismo Ferrero foi uma baita surpresa.
      Ao menos Ferrero, no ano seguinte, levantou a taça.

      Responder
  21. Valmir

    Pela idade da primeira conquista… surpresa foram…

    Mats Wilander (1982) ganhou RG aos 17 anos… derrotando na final, nada menos que Guillermo Villas.

    Boris Becker ganhou Wimbledom (1985) aos 17 anos (mais jovem campeão por lá)

    Andrés Gimeno (Espanha) … ganhou somente 1 Slam… aos 34 anos … Roland Garros (1972)

    E pelo feito… ganhando somente 1 Slam…
    Adriano Panatta (Itália) … Roland Garros (1976) derrotando Bjorn Borg (nas quartas) … foi o único a derrotá-lo lá, por duas vezes (1973/1976)

    Responder
      1. Pedro

        Dalcim, falando em jogo não casar é incrível que o Federer tenha sido tão cabeça dura de não ter procurado técnico e raquetes maiores naquela época em que ele perdia quase todas para o Nadal. Era frustrante tanto para ele mesmo quanto para os que torciam por ele. Aquela mesma estória de topspin alto na esquerda, deslocava e matava com forehand na paralela, igual como o espanhol fez com o Delpo há pouco. O Federer tem um talento, que se não for o maior de todos os tempos, pelo menos é um dos maiores, então faltou fazer esta análise naquela época, e não mais de 5 anos depois. Hoje em dia não dá mais para igualar o head to head.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Nenhum jogador com Backhand de uma mão foi páreo para Rafa Nadal no Barro. E até mesmo Novak Djokovic perdeu 15 no Saibro para o Espanhol se igualando a Federer. O Spin alto acima da linha de cintura e’ fatal até para Saibristas com Back de duas mãos. Abs!

          Responder
          1. Valmir

            Nadal x Djokovic até 2010 é uma coisa… de 2011 em diante é outra história.

            Ainda que o Nadal leve vantagem … no saibro… de 2011 em diante… principalmente em RG,
            Djoko derrotou Nadal em todos os Masters 1000 do saibro, mais de uma vez e também em RG 2015.

            Djoko … 2011 em diante… foi o ÚNICO … adversário real que o Nadal teve no saibro.

            Mesmo as derrotas em RG foram em jogos duros… a semi de 2013 que o diga.
            Sempre tirou sets de Nadal em RG.

            6×1 6×3 6×0… é coisa do Fakederer.

          2. alessandro sartori

            Concordo com Valmir…por isso que cada vez que alguns por aqui discutem o FEDAL, eu sempre vou achar o Djoko o mais completo de todos, e assim, fez 100 partidas ou perto disso contra a “dupla´´ e NÃO está atrás no H2H e em títulos tbm tem muitos e importantese, a tendência em 2018 ´´e uma briga a 3 pelo número1…

  22. Luigi F.

    Para mim ,a maior zebra de Grand Slam da história foi Djokovic ter se consagrado campeão de Wimbledon, não só uma, mas duas vezes diante do “TODO PODEROSO” Frauderer. O melhor e maior de todos os tempos. Abs!

    Responder
        1. O LÓGICO

          Eu concordo contigo, kkkkkk, quem não é fraude é o robozinho 171 do tênis kkkkk, consumidor contumaz kkkk de açaí kkkkkkkkkkkkkkkk

          1) Está há mais de 10 anos disputando o finals , o torneio mais difícil do circuito, e nunca ganhou: por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk
          2) Nunca conseguiu defender um título fora da Laje: por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk
          3) Nunca conseguiu se manter como N1 no ano seguinte após ter conseguido chegar a esse posto: por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk
          4) Foi entubado em 7 finais seguidas pelo mesmo tenista: por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk
          5) É o tenista mais irregular no piso duro, com recordes negativos imbatíveis (3 anos e 8 meses na secura por títulos, e só ganhou recentemente devido a generosidade de Deus kkkk): por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk
          6) Tenista, entre os grandes da história, que tem seus recordes todos dependentes do piso que lhe favorece; aliás, o único, a LAJE KKKK: por que, hein? kkkkkkkkkkkkkkk

          Pode continuar com suas ALGARAVIAS kkkkkkkk Nadalzete pomba-gira-do-robozinho kkkkkk

          Responder
    1. Marcelo Araújo

      No meio de um post cheio de comentários interessantes, você fala uma bobagem dessas?? Lamentável…. Mas, também, o que esperar de alguém que acha o melhor tenista de todos os tempos uma “fraude”? E olha que eu torço muito pra Djokovic e espero que ele ultrapasse o número de slams de Nadal e se aproxime do número de slams de Federer!

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Era 47ª do ranking, sem dúvida uma grande surpresa. Quanto à Bia, depende de qual torneio você se refere. Quanto mais forte, mais alto o ranking é exigido. Mas, basicamente, uma top 50 entra em qualquer grande torneio do circuito.

      Responder
  23. Bolas&grips

    Infelizmente não vi Guga jogar em nenhuma fase vez que acompanho o tênis a coisa de dez anos. Mas vendo mais de perto cada torneio e, principalmente os Slams; principalmente depois de ler sua Biografia e conhecer sua história, vejo que foi algo suprarreal, uma combinação de fatores, tipo aquelas coisas realmente difíceis de explicar a conquista em RG/97 – basta ver K. Anderson na final recente com Nadal: não conseguiu tirar um set. Lembrei daquela frase: “falaram que era impossível, ele foi lá e fez” ehehhe. Viva o Guga!!!!

    Responder
    1. Anderson Kleiner

      Já faz alguns anos, mas havia no Youtube os jogos completos do Guga-RG97, da terceira rodada (Muster) em diante (Medvedev, Kafelnikov, Bruguera)… E que mais me marcou ao assisti-los era ver que não havia enrolação no saque, coisa de no máximo 3, 4 segundos entre se posicionar e fazer o toss.

      Responder
  24. Joncio Souza

    A despeito do grande jogador que foi Goran Ivanišević, a conquista dele em Wimbledon, no ano de 2001, foi uma grande zebra. Sofrendo com uma lesão no ombro desde 1999, ele despencou no ranking e somente entrou diretamente na chave por ter recebido um convite da organização do torneio. Era 125º no ranking de entradas da ATP no início da disputa. Praticamente em final de carreira. Ele chegou a disputar challenger naquele ano. Foi uma grande surpresa, mesmo para um excelente jogador como foi o croata.

    Responder
  25. Rafael Wüthrich

    Rapaz…Acho que há zebras que vão longe e jogos zebra, aqueles resultados inesperados por si só. Curiosamente, acho a semi de Sampras em RG/1996 uma das maiores zebras, junto com a final de Medvedev, que não fez mais nada depois da final em 1999. Embora Ivanisevic vencer WB não seja exatamente uma surpresa, da forma que foi, saindo de WC foiuma das maiores zebras da história.

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      Não consigo ver Zebra maior , Caro Rafael. A começar pela derrota do Super Favorito Pistol Pete Sampras nas Oitavas, para o então garoto de 19 anos no quinto Set , Roger Federer. E Pete já havia batido Ivasinevic em duas Finais . E o então N 125 do Ranking acabou se tornando o único Convidado a realizar tal feito. E batendo na Final o exímio Voleador Patrick Rafter. Tempos bons em que a Grama Sagrada , longe de ser um Saibro Verde, permitia várias surpresas. ABS!

      Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    Eu me lembro bem da final do Australian Open de 2001, quando o divertido Arnaud Clement, chegou na final, mas foi atropelado por Agassi…

    Na época a dupla de comentaristas da ESPN internacional eram Marco Antônio Rodrigues e Thomaz Kock.

    Ambos, de um puxa-saquismo que beirava ao insuportável, pelo tenista norte-americano…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Paulo Cleto era o comentarista principal de 1995 a 2012. E o narrador era Marco Antônio Rodrigues. Koch participou de várias como convidado. E nunca precisou puxar saco de ninguém. Até mesmo de GUGA em suas Finais de Roland Garros. Ao menos , a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Nunca vi ele puxar o saco do Guga mesmo.

        Porém, por alguns jogadores, isto era evidente.

        Principalmente pelo Andre Agassi e pela Martina Hings.

        Eu me lembro de um jogo em que a Hings estava sendo SURRADA por Jenifer Capriati.

        Tomando winners de todos os lados da quadra.

        E o Kock ainda dizendo:

        ” O jogo tá mais pra Hings”.

        Bom, não estava!

        Ela perdeu, e perdeu bonito.

        Responder
      2. João ando

        Sérgio. O thomaż e a Maria Ester foram dois grandes tenistas que o Brasil teve. ..jogaram muito entendem de tenis mas como comentaristas São péssimos…tanto que nunca se cogitou de chamar o Thomaz para ser técnico da taça Davis para o Brasil…

        Responder
  27. Guto Cruz Nascimento

    A quarta maior surpresa para mim foi o vice de Jo-Wilfried Tsonga no Australian Open de 1998.
    A quarta maior surpresa para mim foi o vice de Jo-Wilfried Tsonga no Australian Open de 2008*.

    Responder
  28. Bernardo

    thomas johansson vencer o australian open em 2002 sem ter passado das quartas em nenhuma das 24 tentativas anteriores em grand slam foi uma baita zebra.
    além disso, apesar de ter feito finais em edições anteriores e ser especialista no saque e voleio, ninguém esperava que goran ivanisevic ganhasse wimbledon em 2001, ele não tinha nem ranking pra entrar direto na chave.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *